Total de visualizações de página

terça-feira, 3 de julho de 2018

VIGILÂNCIA SANITÁRIA ORIENTA SOBRE CUIDADOS COM ESCORPIÕES

 ORIENTAÇÕES E CUIDADOS COM ESCORPIÕES


A Vigilância Sanitária de Itumbiara recebe diariamente várias reclamações de moradores de bairros de todos os quadrantes de nossa cidade, dando conta da presença indesejável de escorpiões em suas residências. Até mesmo em residências recém construídas.
Esse fato, que não era comum de uma década para trás, pode ter como causa vários fatores, como, por exemplo, o conhecido aquecimento global, que aumenta a proliferação de insetos, principalmente baratas, que são um dos principais alimentos desses animais peçonhentos. Além disso, a mudança no padrão de construção civil, que atualmente utiliza-se de tijolos furados, formando verdadeiras galerias por toda a extensão do terreno edificado, facilita a formação de criadouros, diferentemente daqueles tijolos compactos, feitos em olarias, empregado nas casas e construções mais antigas. Também, a diminuição e/ou ausência de predadores naturais, como lagartixas (mesmo aquelas brancas, existentes nas casas, que ficam nas paredes, próximas da luz à noite), sapos, e, até galinhas, outrora existentes em muitos quintais, que ciscavam por toda sua extensão e acabavam por desalojar os escorpiões e deles se alimentar.
 Ainda, verificou-se em nossa cidade, o aumento considerável (de quase 100%) da coleta e tratamento de esgoto, interligando toda a rede existente, o que facilita a circulação de escorpiões por toda a sua extensão.  
Em todos os casos, investiga-se as possíveis causas e orienta-se sobre as medidas que devem ser tomadas para cada situação, lembrando-se de que não existe veneno específico para escorpiões, que possa ser utilizado sem que isso não traga grandes prejuízos ambientais e para a saúde daqueles que podem ficar expostos ao efeito tóxico residual e carcinogênico que a quantidade exigida poderia produzir.
Dessa forma, recomenda-se o manejo ambiental dos lotes baldios e quintais das residências, evitando-se o acúmulo de materiais de construção civil, como areia grossa, brita, restos de telhas, tijolos e madeiras.
O combate às baratas, principal alimento dos escorpiões, pode e deve ser feito com frequência nas caixas de gorduras, utilizando-se para isso de produtos seguros, comumente vendidos em supermercados.
Também a colocação de barreiras físicas, como ralos escamoteáveis, que permitem a abertura para escoamento da água e seu fechamento após escoado, evita que os escorpiões saiam da rede pública coletora de esgoto e adentrem a residência, principalmente nessa época do ano, quando as amplitudes térmicas (diferença entre as temperaturas máximas e mínimas) são maiores, fazendo com que esses animais, que possuem predileção por ambientes mais úmidos e quentes, saiam do meio externo, mais frio, e, seguindo as correntes de convecção térmicas, busquem abrigo e alimento no interior das residências, onde provocam os acidentes ao picar o ser humano.
Recomenda-se, também, afastar as camas das paredes, mantendo lençóis e cobertas longe do chão, evitando-se que possam atingir as pessoas durante o repouso.
Adotando todas essas providências consegue-se reduzir a presença e o número de acidentes com esses animais peçonhentos, cuja picada, bastante dolorida, requer a atenção médica mais próxima para que o quadro seja avaliado e a pessoa medicada corretamente.


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


sexta-feira, 20 de abril de 2018

CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES ATUARÁ COM SMT NA RETIRADA DE ANIMAIS DE GRANDE PORTE DE VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS


A Vigilância Sanitária de Itumbiara, através do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) deverá receber ajuda da Superintendência Municipal de Trânsito (SMT) para aquisição de um veículo apropriado ao transporte e retirada de animais de grande porte das vias e logradouros públicos de nossa cidade.
A presença desses animais no perímetro urbano tem preocupado a população e chamado a atenção do Ministério Público que, através da Promotora de Justiça Dra. Mônica Fachinelli da Silva, titular da 5ª Promotoria de Justiça, tem cobrado uma atuação mais incisiva na prestação do serviço de recolhimento e retirada desses animais pelo poder público, em face de denúncias recorrentes da presença deles soltos em vias públicas.
Tal situação vem representando perigo, principalmente aos motoristas e motociclistas que trafegam em nossa cidade, sem contar também na possibilidade de que a criação desses animais próximos à áreas residenciais acaba produzindo focos de insalubridade que facilitam a propagação de doenças, além de incomodar bastante a vizinhança.
Desde há muito a Vigilância Sanitária de Itumbiara tem enfatizado, conforme pode se ver no vídeo abaixo, sobre as responsabilidades dos proprietários desses animais em mantê-los em locais adequados do ponto de vista higiênico-sanitário e em áreas cercadas, de onde não possam alcançar as vias de circulação de veículos e nem ocuparem áreas públicas municipais. A repressão à essas ocorrências irá se intensificar, podendo culminar com apreensões e multas aos proprietários desses animais.
Algumas tratativas já foram realizadas e outras ainda deverão ser levadas à efeito no âmbito do Ministério Público para que todos os órgãos da administração, diretamente envolvidos com o problema, possam atuar de forma articulada, delineando-se as atribuições de cada um, de maneira a se equacionar e resolver de vez esse problema em Itumbiara.


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara