Total de visualizações de página

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Dossiê do Aedes aegypti

Dossiê do Aedes aegypti - Clique em cada uma das imagens e aprenda mais sobre a morfologia e o ciclo do mosquito.







Fonte: Folha de São Paulo

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 27 de dezembro de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA - AÇÕES DE COMBATE À DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

Sucatas de veículos acumulando água de chuva e se transformando em criadouros do mosquito Aedes aegypti

                    A Vigilância Sanitária e a Superintendência de Endemias vêm atuando de forma articulada, priorizando locais, considerados pontos estratégicos, para se evitar a propagação de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya. Nesses locais as instalações e atividades desenvolvidas, exigem cuidados redobrados para se evitar o aparecimento de focos do mosquito Aedes aegypti.
            Oficinas mecânicas, borracharias, ferros-velhos, locais onde carcaças de veículos e sucata são depositados, acumulando água, tem apresentado índices de infestação altíssimos pelo mosquito, demandando um trabalho meticuloso, extenuante e demorado para as equipes de fiscais da Vigilância Sanitária e dos agentes de endemias.
            Muitas empresas não vêm dando a devida importância para as notificações dos agentes de endemias, tratando-as, às vezes, com deboche, e também não atentando para a importância do combate ao mosquito, assustando-se, depois, com a chegada da Vigilância Sanitária que, considerando o risco sanitário e o alerta já dado anteriormente pela notificação da Superintendência de Endemias, penaliza, de pronto, com o auto de infração, cuja multa, de 49,81 UFIs, ultrapassa R$ 3.000,00. Além disso, com a remessa de cópia deste auto de infração para a justiça, se configurado o crime de propagação de epidemia, o autor responderá penalmente consoante o disposto no Código Penal, cujo capítulo trata dos crimes contra a saúde pública:
Art. 267. Causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos:
Pena – reclusão, de 10 (dez) a 15 (quinze) anos.
§ 1.º Se do fato resulta morte, a pena é aplicada em dobro.
§ 2.º No caso de culpa, a pena é de detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, ou, se
resulta morte, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos.
            A população vem reconhecendo a atuação firme dos órgãos de fiscalização e de combate à dengue, mas sem a participação de todos torna-se impossível vencer essa batalha, recomendando-se, portanto, que cada cidadão faça sua parte e cumpra seu papel, para que nenhuma vida se perca nessa luta contra as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.
 Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara 
    

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA E IFG APRESENTARÃO TRABALHO NO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DE QUÍMICA EM GOIÂNIA

       Instituto Federal de Goiás e Vigilância Sanitária de Itumbiara, conjugando o conhecimento científico com ações que impactam na saúde pública da população, apresentarão trabalho sobre “Monitoramento de Óleos e Gorduras nas Lanchonetes e Restaurantes de Itumbiara –GO no 55º Congresso Brasileiro de Química, a ser realizado em novembro em Goiânia.
         O trabalho, resultado da pesquisa realizada pelos alunos do IFG, coordenados pela doutora em Química Analítica, professora Simone Machado Goulart, foi realizado com base nos dados obtidos nas ações de fiscalização da Vigilância Sanitária em lanchonetes e restaurantes de nossa cidade, verificando a qualidade dos óleos e gorduras utilizados no preparo de alimentos colocados para consumo da população.
         Observa-se nesta cooperação a viabilidade de integração entre instituições de ensino superior e poder público, produzindo conhecimento e, ao mesmo tempo, ampliando a relevância das atribuições da Vigilância Sanitária de Itumbiara, cujo trabalho já vem sendo, inclusive, copiado por outras cidades do Estado de Goiás.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara 

domingo, 19 de julho de 2015

ORIENTAÇÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DO UNIFORME DE TRABALHO, HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS MÃOS E ACESSO À ÁREA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

As boas práticas de manipulação de alimentos devem observar vários aspectos. Observem, nos vídeos abaixo, alguns deles:

UTILIZAÇÃO DO UNIFORME DE TRABALHO


HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS MÃOS


ACESSO A ÁREA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS


CUIDADOS PARA NÃO CONTAMINAR ALIMENTOS


HIGIENIZAÇÃO DE FRUTAS, LEGUMES E VERDURAS


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

terça-feira, 30 de junho de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E IFG INICIAM O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO ÓLEO

Fiscal de Vigilância Sanitária afere a temperatura do óleo enquanto aluna do IFG aguarda para colocar a fita de monitoramento e verificar a qualidade do óleo.

     Com a participação de alunos do Programa de Educação Tutorial (PET) Química: Educação, Ambiente e Sociedade, do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal de Goiás, Câmpus Itumbiara, a Vigilância Sanitária iniciou um trabalho com a finalidade de verificar a qualidade do óleo utilizado em processos onde a fabricação de alimentos submete os alimentos à fritura, como, por exemplo, nas pastelarias, lanchonetes e restaurantes de Itumbiara. As observações recolhidas irão subsidiar a produção de trabalho científico de pesquisa acadêmica que será publicado e, também, divulgado em congressos de Química nos quais os alunos participarem. 
         O monitoramento do óleo é efetuado através de imersão de uma fita no produto por dois a cinco segundos, na temperatura de fritura (aproximadamente 150 ºC), observando-se, posteriormente, a mudança de coloração da fita. Conforme a mudança observada, tem-se uma indicação da qualidade do óleo em utilização. Dependendo do resultado verificado, recomenda-se a troca do óleo e o descarte adequado daquele que vinha sendo utilizado.
Resultado mostra que o produto está dentro dos parâmetros recomendados para sua utilização
        Já foram visitados os seguintes locais: Ponto dos Pastéis, Famoso Pastel, Lanchonete da Agência Recreio, Sucão, Casa do Pastel, Namura Lanches, Natura Salgadinhos, Pastelaria Hong Kong, Restaurante e Lanchonete do Edinho, Bileu’s Bar, Pastelaria do Dedé, Pastelaria Dona Zená e Lanchonete Alves. Em todos estes estabelecimentos a leitura indicou que a qualidade do óleo estava dentro dos parâmetros recomendados para a fritura dos alimentos.

        Como já se sabe, fritar os alimentos facilita a formação de substâncias cancerígenas que serão consumidas ao ingeri-los, podendo, desta forma, aumentar o risco de câncer, posto que, quando o óleo já está com a composição química alterada e, ainda, é aquecido a temperaturas utilizadas para fritar (150 ºC), compostos potencialmente cancerígenos, que incluem a acrilamida (encontrado em alimentos ricos em carboidratos, como batatas fritas) e acroleína (substância química também encontrada em herbicidas), podem se formar e contaminar o alimento frito. A concentração desses compostos tóxicos (acrilamida e acroleína) aumenta com a reutilização do óleo e o aumento do tempo de fritura.
Aluna do IFG coleta informações sobre o modo de preparo dos alimentos dentro do estabelecimento.
              A iniciativa deste trabalho contou com o apoio da empresa Cargill Agrícola S/A, que colaborou fornecendo os kits de monitoramento de óleos e gorduras.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quinta-feira, 25 de junho de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA ORIENTA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS NO 11º ARRAIÁ DE ITUMBIARA

          Fiscais de Vigilância Sanitária distribuíram material sobre os cuidados na manipulação de alimentos
ORIENTAÇÃO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DO 11º ARRAIÁ DE ITUMBIARA – GOIÁS.
- USO DE COPOS, CANUDOS E GUARDANAPOS DESCARTÁVEIS;
- OS ALIMENTOS EXPOSTOS DEVERÃO ESTAR COBERTOS COM PLÁSTICOS LIMPOS E TRANSPARENTES OU VASILHAS PLÁSTICAS LIMPAS, EVITANDO-SE INSETOS E POEIRA;
- OS MANIPULADORES DEVERÃO UTILIZAR EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs), TAIS COMO: AVENTAL (OU JALECO), PROTEÇÃO PARA OS CABELOS (TOUCA DE COR CLARA E LIMPA), CALÇADOS FECHADOS;
- DURANTE O PROCESSO DE MANIPULAÇÃO OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS NÃO DEVEM UTILIZAR ADORNOS (ANÉIS, ALIANÇAS, PULSEIRAS);
- TODOS OS COMERCIANTES/AMBULANTES DEVERÃO REALIZAR A COLETA DO LIXO PRODUZIDO PELO SEU ESTABELECIMENTO E PELOS SEUS CLIENTES UTILIZANDO-SE DE SACOS PLÁSTICOS RESISTENTES, FECHANDO-OS DE MANEIRA ADEQUADA;
- É PROIBIDO O USO DE MAIONESE, MOSTARDAS E CATCHUPS EM TUBOS (PERMITINDO-SE SOMENTE O USO DE SACHÊS);
- NÃO MANUSEAR DINHEIRO E ALIMENTOS;
- UTILIZAR PEGADORES ESPECÍFICOS PARA OS ALIMENTOS;
- VERIFICAR SEMPRE AS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO E O PRAZO DE VALIDADE DAS MATÉRIAS-PRIMAS ADQUIRIDAS. COLOCAR ETIQUETAS NOS RECIPIENTES QUE CONTENHAM ALIMENTOS/MATÉRIAS PRIMAS E O PRAZO DE VALIDADE DOS PRODUTOS NELES CONTIDOS.


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


terça-feira, 23 de junho de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PROCON AUTUAM SUPERMERCADO E RECOLHEM QUASE 300 KG DE CARNE IMPRÓPRIA PARA CONSUMO




Em uma ação conjunta, Vigilância Sanitária e Procon, apreenderam quase 300 kg de carne que estavam com sinais de deterioração (odor de putrefação) e se encontravam estocadas para salga dentro de um supermercado no setor Afonso Pena. Os produtos seriam salgados, colocados ao sol e posteriormente vendidos aos consumidores.
Além dessa irregularidade, outras, também muito graves, foram encontradas, principalmente a falta de higiene nos locais de panificação, no açougue e outras áreas do supermercado, fato que acabou acarretando a interdição parcial do estabelecimento.
Portanto, a padaria e o açougue ficarão interditados até que todas as irregularidades encontradas nestes dois locais sejam corrigidas.
Algumas prateleiras apresentavam excrementos de roedores ao lado de alimentos colocados à venda, em um sinal evidente de que a falta de desratização vinha comprometendo as condições de higiene no local.
O supermercado, além da interdição parcial (padaria e açougue) e da apreensão da mercadoria, recebeu um auto de infração da Vigilância Sanitária e terá prazo, de até 15 dias, para apresentar defesa. A multa (32,20 UFIS), caso a defesa seja indeferida, ultrapassa R$ 2.000,00.


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara  

sexta-feira, 5 de junho de 2015

COOPERAÇÃO ENTRE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS E CARGILL AGRÍCOLA S/A ORIENTARÁ SOBRE QUALIDADE DE ÓLEOS UTILIZADOS NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DE ITUMBIARA

Alunos do IFG, Hebert Andrade e Dra. Simone Goulart, no Laboratório de  Cromatografia Líquida de Alta Performance

      A Vigilância Sanitária de Itumbiara, com a participação de alunos Programa de Educação Tutorial (PET) Química: Educação, Ambiente e Sociedade, do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal de Goiás, Câmpus Itumbiara, orientados pela prof.ª Dra. Simone Machado Goulart, fará um trabalho de orientação nos serviços de alimentação de nossa cidade sobre a importância do monitoramento da qualidade dos óleos utilizados nestes locais, principalmente quando destinados ao preparo de alimentos fritos.
         A iniciativa deste trabalho conta com a colaboração da empresa Cargill Agrícola S/A, fornecendo os kits de monitoramento de óleos e gorduras, cujos resultados das observações deverão redundar em trabalho científico de pesquisa acadêmica que será enviado para apreciação em revistas especializadas para, posteriormente, poderem ser publicados e, também, serem divulgados em congressos de Química.  
         Fritar os alimentos pode facilitar a formação de substâncias cancerígenas que serão consumidas ao ingeri-los. Alguns dos possíveis mecanismos que envolvem o risco aumentado de câncer incluem o fato de que, quando o óleo já está com a composição química alterada e, ainda, é aquecido a temperaturas acima daquelas utilizadas para fritar (150 ºC), compostos potencialmente cancerígenos podem se formar e contaminar o alimento frito.
        Os compostos cancerígenos produzidos no processo de fritura incluem acrilamida (encontrado em alimentos ricos em carboidratos, como batatas fritas) e acroleína (substância química também encontrada em herbicidas).
         A concentração desses compostos tóxicos (acrilamida e acroleína) aumenta com a reutilização de óleo e o aumento do tempo de fritura. Por exemplo, um peito de frango frito submerso em óleo por 20 minutos contém mais de nove vezes a quantidade de compostos tóxicos do que um peito de frango cozido por uma hora.

REUTILIZAÇÃO DO ÓLEO PROVOCA DOENÇAS



              A reutilização e a alta temperatura do óleo nas frituras, independente do estudo que aponta os males da acrilamida, já não é bem visto para quem deseja manter a saúde. O correto é que o óleo seja utilizado uma única vez para fritura. Isso porque o reaquecimento faz o produto liberar a acroleína, uma substância tóxica que pode provocar irritação no estômago. Os riscos são ainda maiores quando o óleo da fritura é submetido a temperaturas superiores a 200 ºC, como na maioria das pastelarias que, utilizam o mesmo óleo muitas vezes e, a todo momento, reaquecem o produto.
        
RECIPIENTE ADEQUADO TAMBÉM É IMPORTANTE NA HORA DE FRITAR

           Outra constatação é que quanto maior for o espaço ocupado pelo óleo na panela ou frigideira, maior é a oxidação do produto. O ideal, nas frituras, é que a superfície seja menor que o volume de óleo. Caso contrário, o óleo ficará cada vez mais escuro, à medida que vai sendo usado.
         Ainda não existe uma legislação específica sobre a quantidade de vezes que os óleos podem ser usados para frituras, por isso ainda há poucos cuidados em relação ao assunto. Neste sentido, a adoção de medidas que permitam verificar a qualidade do óleo utilizado nos serviços de alimentação poderá concorrer para uma alimentação mais saudável e um diferencial na qualidade dos produtos colocados à venda para a população nos serviços de alimentação de nossa cidade.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 24 de maio de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PROCON, EM AÇÃO CONJUNTA, ATENDEM RECOMENDAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO


      Seguindo Recomendação nº 03/2014 do Ministério Público, através do Dr. Marcelo de Freitas, da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, a Vigilância Sanitária de Itumbiara e Procon vem realizando, em ação conjunta, fiscalização nos serviços de alimentação e nos fornecedores de alguns produtos para estes estabelecimentos.
       Desde o início deste ano, já foram fiscalizados vários locais, principalmente aqueles com maior fluxo de consumidores em nossa cidade, como, por exemplo: Restaurante Arvoredo, Restaurante Ponte Velha, Restaurante Samambaia, Restaurante Fabioziana, Restaurante Pitadela, Tablado Restaurante, Laredo Steak House, Giraffas, Subway, Restaurante Casa Velha, Caipira Bão, Paparazzi Grill, Usina Grill, Pizzaria Pirandello, Churrascaria Nova Imperial, Restaurante Cozinha Caseira, Restaurante Banzai Oriental, Restaurante Lunar, Churrascaria Gigantão, Restaurante Delícias da Roça, Restaurante D’Bellas, Restaurante do Bacana, Churrascaria Guaporé, Namura Lanches, Lanchonete Bom Giovani, Lanchonete do Edinho, Bileu’s Bar, Sabor Serra, Teu Café, Kiwi Sorvetes, IGM e Palhoça, sendo, estes dois últimos, como fornecedores de produtos utilizados na confecção e preparo de alimentos.
       Observou-se que, com algumas exceções, em certos casos muito críticas, os cuidados dispensados na aquisição e armazenamento dos produtos e no preparo dos alimentos, vem avançando em relação às fiscalizações anteriores, mas, ainda, pode e precisa melhorar bastante.
     Nesse sentido, Vigilância Sanitária e Procon, pretendem promover, em breve, no auditório do Procon, a realização de um curso de atualização em “Boas Práticas de Manipulação e Fabricação de Alimentos” destinados à todos os colaboradores destes estabelecimentos, contando, para isso, com aulas ministradas pelo corpo técnico dos dois órgãos, notadamente uma profissional graduada em Engenharia de Alimentos, fiscal de Vigilância Sanitária de Itumbiara, além de outros profissionais que trabalham nos dois órgãos e que versarão sobre assuntos regulatórios, principalmente os afetos à regulamentação, aplicação e cumprimento das normas técnicas e aspectos legais relacionados a estas atividades, como a legislação sanitária e o Código de Defesa do Consumidor, respectivamente. 
       O trabalho terá continuidade, se estendendo para todos os serviços de alimentação de nossa cidade, através de novas incursões a locais que ainda não receberam as equipes de fiscalização e, ainda, verificando-se as irregularidades que foram constatadas nos locais já visitados foram sanadas ou, conforme o caso, se as correções exigidas, que demandem mais tempo, estão sendo implementadas dentro dos prazos concedidos.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
       

sábado, 24 de janeiro de 2015

MAIS DE 40.000 CÁPSULAS DE POLIVITAMÍNICO IMPRÓPRIO PARA CONSUMO SÃO APREENDIDAS PELA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA

Dr. Ricardo Chueire mostra os fragmentos, com a data de validade impressa,  que eram retiradas dos produtos 
       
       A Vigilância Sanitária de Itumbiara, em atendimento à duas denúncias, entre os dias 19 e 21 de janeiro,  apreendeu mais de 40.000 cápsulas de um medicamento polivitamínico que estariam sendo comercializados em dois estabelecimentos farmacêuticos, ambos da mesma rede.

       Num desses locais, localizado à Av. Oswaldo Cruz, no Setor Rodoviário, foram apreendidos, nos dias 19 e 20 de janeiro, a quantia de 627 Blísteres, contendo 10 cápsulas cada, com as datas de validade recortadas, impossibilitando o consumidor de verificar se o produto estaria impróprio para o consumo. Outras 495 caixas, do mesmo medicamento, também com prazo de validade expirado, foram recolhidas.

     A segunda denúncia, apurada no dia 21 de janeiro, em operação conjunta com a Polícia Civil, acabou encontrando no endereço de uma drogaria, da Av. Santos Dumont, no Bairro Santos Dumont, 26 caixas, de outra versão, do mesmo polivitamínico, com as embalagens sem prazo de validade e sem número de lote; além disso, 592 blísteres, com 10 cápsulas cada, com validade até novembro de 2014. Ainda, neste mesmo local, foram encontrados outros 26 blísteres, com 10 cápsulas cada, com a data de validade recortada. Todos os produtos foram levados para o distrito policial do bairro Novo Horizonte, onde foram periciados pela Polícia Técnico-Científica.

   Ambos estabelecimentos foram autuados por infringirem a legislação sanitária e terão prazo de até 15 dias para apresentarem defesa aos autos emitidos pela Vigilância Sanitária de Itumbiara, sem prejuízo de outras penalidades cabíveis.



HEBERT ANDRADE RIBEIRO FILHO
DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA - 13.687 AÇÕES EM 2014


         Com o saldo de 13.687 ações realizadas, a Vigilância Sanitária de Itumbiara terminou o ano de 2014 superando recordes anteriores (10.168 ações em 2012 e 13.299 ações em 2013).
         
       A emissão de alvarás sanitários, mais uma vez, é recorde, atingindo a casa de 4.562 (em 2011 foram cerca de 2.150, em 2012 chegaram a 4.108 e em 2013 totalizaram 4.388), um incremento, portanto, de 47,12% em relação aos números do início da série, mensurada a partir do ano de 2011, quando esta emissão situava-se no patamar de 2.150 alvarás.
        
       O resultado, obtido pela contínua divulgação do Lei Sanitária do Município de Itumbiara (Lei Municipal nº 2.833/2003), através de impressos confeccionados e distribuídos gratuitamente pelo órgão,  também é consequência da visibilidade atingida, através da veiculação destas ações pela imprensa, seja em jornais, rádio, tv e web (no site www.visaitumbiara.com), além, é claro, da orientação aos setores regulados pela Vigilância Sanitária de Itumbiara sobre a necessidade imperiosa em se obedecer a legislação sanitária e sua importância para o sucesso de qualquer atividade, bem como sua relação no contexto da saúde pública de nossa cidade.
   
      Os atendimentos ao público no órgão somaram 3.661 ações; as fiscalizações, 2.023; análises de parâmetros físico-químicos em amostras de água, 1280; coletas de água para análises, 522; notificações, 496; atendimento de denúncias, 390; certidões (de baixa de responsabilidade técnica, de conformidade, de adequação, etc.), 207; intimações, 131; ações com Superintendência de Endemias, 68; autos de apreensão, 66; autos de inutilização, 60; ofícios respondidos e/ou enviados para órgãos como Ministério Público, Suvisa/GO, Anvisa, 51; emissão de numerário de blocos de receituário de medicamentos sob regime de controle especial, 49; autos de infração, 43; coletas de alimentos para análises bromatológicas, 28; pareceres técnicos, 18; termos de orientação, 10; interdições, 7; participação em cursos ( de capacitação, em seminários e como palestrante), 7.

  As fiscalizações e vistorias foram efetuadas em indústrias (e/ou seus prestadores de serviços) como Stemac, Cargill, JBS – Friboi, Caramuru, Almad/Cagigo, Usina Panorama, Plantar, Pionner, BR Foods, Rai Ingredientes (aromas e essências), Pimpolino – indústria de milho de pipoca, Alca Foods,  Tempeiro Cheiro Bom, Saladão Foods,  indústrias de panificação,  Depil Safe etc., além de estabelecimentos de serviços de saúde (hospitais, clínicas radiológicas e serviços de raio-x, clínicas odontológicas, clínicas médicas, clínicas psicológicas e comunidades terapêuticas), transportadoras, distribuidoras de medicamentos, farmácias, laboratórios, clínicas veterinárias e pet-shops, academias de ginástica, escolinhas de natação, grandes redes de supermercados, comércio varejista, hotéis, restaurantes, bares, lanchonetes etc.
       
     Além desses estabelecimentos acima citados, todas as cantinas das creches e escolas do município foram vistoriadas e fiscalizadas, recebendo orientações e exemplares da publicação, produzida pela Vigilância Sanitária de Itumbiara, sobre “Boas Práticas de Manipulação de Alimentos”, permitindo, desta forma, que os responsáveis técnicos destes locais possam ter o seu trabalho facilitado junto aos seus colaboradores nas tarefas afeitas ao preparo da alimentação diária das crianças e da merenda escolar servida aos nossos alunos, obedecendo as normas higiênico-sanitárias preconizadas pela legislação.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara