Total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

BAR DOS CORNOS É INTERDITADO EM ITUMBIARA - GOIÁS

AMBIENTE SEM CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS PROVOCARAM A INTERDIÇÃO DO BAR DOS CORNOS  
Péssimas condições de higiene, mercadorias com prazo de validade expirado, alvará de vigilância sanitária vencido desde 2009, ambiente insalubre e criação de aves (patos, galinhas e garnisés) com vários focos com larvas de mosquito da dengue nas dependências do imóvel levaram a Vigilância Sanitária de Itumbiara a interditar, nesta terça-feira (22/10), o estabelecimento denominado pelo jocoso nome de “Bar dos Cornos” localizado à rua SM-16 nº 268, no bairro Remy Martins, em Itumbiara.
O local, uma verdadeira confraria de consumidores contumazes de bebidas alcoólicas, fermentadas e destiladas, não apresentava as condições mínimas de higiene, com quartos infectos da residência do proprietário comunicando-se diretamente com a área de comércio, o que é proibido, cujas camas imundas vinham servindo como local de refazimento àqueles mais combalidos pela ingestão das bebidas ali consumidas.
Foi exigido, além das adequações na área ocupada pelo bar, a limpeza da área e a retirada de todo o entulho do quintal da residência, sendo que o comércio somente poderá ser reaberto após o cumprimento de todas as adequações exigidas pela Vigilância Sanitária de Itumbiara para este tipo de atividade.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

terça-feira, 15 de outubro de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA INTERDITA RESTAURANTE NO BAIRRO SANTOS DUMONT

Restaurante não atendeu a notificação da Vigilância Sanitária e vinha trabalhando em condições precárias de higiene
A Vigilância Sanitária de Itumbiara interditou, nesta terça-feira (15/10) um restaurante na Av. Santos Dumont, no bairro Santos Dumont, cujas instalações, principalmente as da cozinha e da área de manipulação e preparo de alimentos, se encontravam em péssimas condições de higiene, contrariando todas as normas sanitárias preconizadas para este tipo de estabelecimento e comprometendo todo o preparo e a qualidade das refeições que eram servidas aos clientes.
Em uma fiscalização realizada em meados do mês de agosto deste ano já tinham sido constatadas diversas irregularidades, motivo que levou a Vigilância Sanitária de Itumbiara a notificar o proprietário do estabelecimento, dando-lhe prazo de 30 (trinta) dias para executar as adequações.
Mesmo assim, até a interdição, nenhuma correção foi realizada, tendo sido observado o aumento na deterioração das condições já precárias dos locais de manipulação e preparo de alimentos.
Diante de tantas, tamanhas e graves irregularidades relacionadas à higiene e verificando-se a insalubridade do local, a Vigilância Sanitária de Itumbiara interditou o estabelecimento, aplicando ainda um auto de infração ao proprietário de acordo com a RDC 216/2004 da ANVISA e de acordo com os artigos 76, artigo 77 e artigo 78 da Lei Municipal 2.833/2003, que consideram infração preparar, manipular, armazenar, expor, vender alimentos, contrariando o disposto na legislação sanitária vigente.



Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
      

terça-feira, 1 de outubro de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA APREENDE MAIS DE MEIA TONELADA DE MEDICAMENTOS COM PRAZO DE VALIDADE EXPIRADOS

Medicamentos armazenados, irregularmente, em imóvel alugado pelos donos de uma distribuidora interditada em 2012

Medicamentos de várias classes terapêuticas fazem parte do estoque apreendido

Dependências da Vigilância Sanitária ficaram abarrotadas com mais de meia tonelada de medicamentos apreendidos 
A Vigilância Sanitária de Itumbiara apreendeu nesta segunda-feira (30/9) mais de meia tonelada de medicamentos que estavam armazenados, irregularmente, dentro de um imóvel comercial localizado à Rua João da Cruz nº17, no bairro Santa Inez. Dos medicamentos apreendidos constam anestésicos utilizados em cirurgias, vários tipos de antibióticos de uso hospitalar, antifúngicos, medicamentos para exames radiológicos, além de outros.
O local, onde funcionou a distribuidora de medicamentos J C Bressaglia Distribuidora, já era conhecido da fiscalização da Vigilância Sanitária e havia sido interditado no mês de setembro de 2012, quando em um trabalho de investigação da corregedoria da Polícia Civil de São Paulo, Polícia Civil do Estado de Goiás e Vigilância Sanitária de Itumbiara, foram encontrados medicamentos para tratamento oncológico sem notas fiscais e com embalagens avariadas e com prazos de validade ilegíveis ou adulterados.
Na ocasião o responsável foi preso e a empresa teve seu alvará de vigilância sanitária cassado e suspensas suas atividades como distribuidora de medicamentos. Entretanto, segundo o proprietário do imóvel, os responsáveis pela distribuidora interditada mantiveram o imóvel alugado, permanecendo nas suas dependências um estoque remanescente de medicamentos cuja comercialização somente poderia se dar com autorização da Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás e da Vigilância Sanitária de Itumbiara, o que, no caso desta última tornar-se-ia inexequível, já que o farmacêutico responsável pela empresa, premido pelos fatos ocorridos, havia protocolado a baixa de responsabilidade técnica junto à Vigilância Sanitária de Itumbiara e, portanto, a falta de um responsável técnico, inviabilizava a obtenção de um novo alvará e, consequentemente, a sua atividade como distribuidora.
Curiosamente, a continuidade no pagamento do aluguel ao locatário, que ocorreu até o mês de agosto deste ano, a um imóvel que, pelo menos aparentemente, estava sem uso e cujos valores de mercado, em um endereço como o acima citado, chegam facilmente à cifra de R$ 2.500,00 ao mês, acaba suscitando muitas indagações. Quais seriam os motivos em se manter mais de meia tonelada de medicamentos armazenados irregularmente e com os prazos de validade expirando (a maioria deles perdeu a validade nos meses de março, abril e maio de 2013)? Poderiam estes medicamentos ter suas embalagens e datas de validade adulteradas e depois serem colocados no mercado? São perguntas que muitos poderiam se fazer, mas cujas respostas permanecem uma incógnita.
À Vigilância Sanitária de Itumbiara coube a tarefa de evitar que esses medicamentos viessem a ser negociados e utilizados de forma inescrupulosa, retirando-os definitivamente de circulação e impedindo que chegassem à rede pública de saúde onde poderiam comprometer o tratamento de muitas doenças, incluindo-se entre estas o câncer, levando à morte um número incalculável de pacientes.



Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara