Total de visualizações de página

domingo, 30 de junho de 2013

ESGOTO JOGADO PRÓXIMO DA MARGINAL DA BR-153 POLUI CÓRREGO DAS POMBAS EM ITUMBIARA

A ligação de rede de esgoto à rede pluvial na marginal da BR-153, no lado direito (sentido Itumbiara-Goiânia), próximo ao viaduto da divisa entre os Bairros Nova Aurora e São João está poluindo as águas do córrego das pombas em Itumbiara e, consequentemente, o rio Paranaíba.
Reclamações e denúncias dos moradores do local sobre o mau cheiro na região levaram fiscais da Vigilância Sanitária de Itumbiara a realizar uma inspeção no local e constatar a veracidade da informação.
Pode ser observado que o corpo d’água formado veicula efluentes cuja composição apresenta matéria orgânica em decomposição, proveniente de esgoto doméstico, misturada a óleos lubrificantes que estão sendo despejados indevidamente na rede destinada ao escoamento de água pluvial.
Uma reunião entre representantes da Saneago, Ammai e Vigilância Sanitária de Itumbiara será realizada para se encontrar as fontes poluidoras e buscar uma solução para o problema que, além de oferecer riscos à saúde da população, pela deterioração da água, acaba dizimando a ictiofauna do córrego das pombas e diminuindo a piscosidade do rio Paranaíba.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sábado, 29 de junho de 2013

ESCORPIÕES COLOCAM EM RISCO A VIDA DE MORADORES NA AVENIDA NOVACAP

Construção paralisada pode estar facilitando a proliferação de escorpiões no setor
Uma construção na Avenida Novacap, no Bairro Alto da Boa Vista, cujas obras estão paralisadas há bastante tempo, vem trazendo preocupação e oferecendo riscos aos moradores do setor.
Segundo pessoas que residem próximas ao local da construção, suas casas estão sendo invadidas por escorpiões, provavelmente oriundos dos criadouros que são formados por restos de material de construção e madeira, localizados no interior da obra, o que acaba facilitando a proliferação destes e de outros animais peçonhentos.
A Vigilância Sanitária de Itumbiara já foi acionada, entretanto ainda não encontrou nenhum trabalhador ou responsável no local da edificação para notificá-lo sobre a necessidade imperiosa de se efetuar a limpeza do local.
Novas diligências deverão ser feitas a fim de localizar o proprietário do imóvel, no intuito de evitar que algum acidente, envolvendo a população das áreas adjacentes, possa vir a ocorrer em decorrência da presença indesejável destes animais terrestres que, pela atividade noturna, acabam surpreendendo e colocando em risco a vida das pessoas inoculadas com o seu veneno.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


quarta-feira, 26 de junho de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA INTERDITA INDÚSTRIA DE SORVETES E PICOLÉS

Produto sem data de fabricação, nem prazo de validade
"Área de produção": na mão, matéria-prima (polpa de articum), sem data de fabricação e prazo de validade, que seria utilizada no preparo de sorvetes e picolés
Grades em avançado estado de corrosão sobre os picolés produzidos e prontos para embalar

A Vigilância Sanitária de Itumbiara interditou, no dia 25/6/2013, na Rua Emídio Cotrim, no Bairro Paranaíba, uma fábrica de sorvetes e picolés que estava funcionando sem nenhuma documentação (Alvará de Vigilância Sanitária, Alvará de Funcionamento, Ficha de Inscrição Cadastral e CNPJ) e, principalmente, sem as mínimas condições de higiene e espaço adequado, necessários a este tipo de atividade.
Segundo o proprietário, a mercadoria era adquirida de outras indústrias, entretanto não foram apresentadas notas fiscais da aquisição do produto. Essa versão, contudo, não coaduna com a quantidade de máquinas para fabricação de sorvetes e picolés, encontradas no interior do estabelecimento, levando a crer que os produtos estavam sendo fabricados no local, nos fundos da residência, com animais circulando pela área e com as máquinas em meio a outros objetos de uso doméstico (lavadora de roupas, varal para estender roupas etc.), portanto, de forma totalmente incompatível com as normas sanitárias, entre elas a RDC Nº 267/2003 da ANVISA, preconizadas para indústria deste tipo de alimento, neste caso chamados de gelados comestíveis.
As embalagens dos produtos produzidos (ou adquiridos, segundo o proprietário) como picolés e sorvetes, não apresentavam nem a data de fabricação e, menos ainda, o prazo de validade, resultando na apreensão e inutilização do produto, evitando que o mesmo viesse a ser consumido, principalmente pelas crianças.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 23 de junho de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA PRESENTE NO 9º ARRAIÁ DE ITUMBIARA

Equipe de Fiscalização: Simone Perinazzo, Leidiane Andrade, Hebert Andrade, Andressa Mendonça e Mayra Garcia
A Vigilância Sanitária de Itumbiara está presente no 9º Arraiá de Itumbiara, orientando, fiscalizando e distribuindo o “Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos” a todos os colaboradores que estarão trabalhando para as entidades ali representadas, proporcionando, desta forma, mais segurança para todos aqueles que forem saborear as comidas típicas preparadas nas barracas e que serão servidas durante o evento.
As orientações, de maneira geral, estão relacionadas à utilização de copos, canudos e guardanapos descartáveis; os alimentos em exposição deverão ser cobertos com plásticos limpos e transparentes, ou vasilhas plásticas limpas e com tampas, evitando sua contaminação por insetos e poeira; os manipuladores devem utilizar equipamentos de proteção individual (EPI), tais como: avental (ou jaleco), proteção para os cabelos (toca) na cor clara e calçados fechados; durante o processo de manipulação os manipuladores de alimentos não devem utilizar adornos (anéis, alianças, pulseiras); todos os comerciantes/ambulantes deverão realizar a coleta do lixo produzido pelo seu estabelecimento e pelos seus clientes e coloca-los em sacos plásticos resistentes, fechando-os de maneira adequada; não acondicionar maionese, mostarda ou catchup em frascos plásticos (tubos), permitindo-se somente o uso de porções embaladas em sachês; não manusear, ao mesmo tempo, dinheiro e alimentos; utilizar pegadores específicos para os alimentos; por último, verificar sempre as condições de armazenamento, temperatura e o prazo de validade das matérias-primas adquiridas, posto que o cumprimento destas recomendações será observado pela equipe de fiscalização da Vigilância Sanitária de Itumbiara durante a realização da festa.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sexta-feira, 21 de junho de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA VISITA LABORATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DA SANEAGO DE ITUMBIARA

Dra. Ana Cristina, competência e profissionalismo à frente do Laboratório de Controle de Qualidade da Saneago
Com uma rigorosa metodologia científica, utilizando-se das melhores técnicas em análises físico-químicas e microbiológicas, o laboratório da Saneago de Itumbiara se transforma num referencial na aferição dos padrões de potabilidade da água consumida em Itumbiara e de outras cidades do sul de Goiás, cujas amostras da água, coletada, tratada e distribuída pela Saneago e servida à população, são analisadas no laboratório de Itumbiara.
 A Vigilância Sanitária de Itumbiara também realiza coletas semanais de amostras (em duplicata) da água servida em todos os bairros da cidade e analisa, aqui mesmo, alguns parâmetros (pH, Turbidez e Cloro livre),  enviando o restante das amostras ao  LACEN/GO, onde são realizadas as análises dos demais parâmetros exigidos pela Portaria nº 2.914 do Ministério da Saúde.
A observação dos resultados encontrados mostra, de forma patente, que estamos servidos de água de ótima qualidade. Já a comparação entre os resultados obtidos nas análises realizadas no LACEN/GO e aqueles verificados nas análises efetuadas aqui evidenciam a qualidade e a excelência do trabalho realizado no laboratório da Saneago de Itumbiara, sob a supervisão da Dra. Ana Cristina Alves Pires, Engenheira de Alimentos, Química e Técnica em Saneamento, que lidera uma equipe de profissionais que trabalham no laboratório de controle de qualidade da água da Saneago de Itumbiara, fazendo com que a população tenha a segurança e a certeza de estarem consumindo a água de acordo com as recomendações e exigências preconizadas pela legislação.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


 

quinta-feira, 20 de junho de 2013

JATEAMENTO DE AREIA A SECO É INTERDITADO EM ITUMBIARA

Processo de jateamento de areia a seco expõe trabalhador a doenças por inalação de partículas de sílica
O jateamento de areia a seco, proibido desde 2004, levou a Vigilância Sanitária de Itumbiara a interditar, nesta quarta-feira (19/6), esta atividade em uma empresa de Itumbiara que vinha realizando este procedimento no Bairro Santa Rita, oferecendo riscos tanto aos trabalhadores que operavam o equipamento quanto à vizinhança que ficava exposta às emissões de sílica (SiO2), liberada para a atmosfera ao redor do estabelecimento.
O jateamento de areia a seco provoca a silicose, uma doença pulmonar causada pela inalação de partículas de sílica (dióxido de silício) que é o principal componente da areia. A sílica se deposita nos alvéolos pulmonares, provocando graves danos e levando a uma fibrose pulmonar irreversível, o que acaba por limitar a capacidade respiratória da pessoa, repercutindo em todas as funções orgânicas.
Depois de dois a cinco anos, mesmo tendo deixado de trabalhar com a sílica, a respiração pode piorar e o pulmão, lesado em decorrência dos processos inflamatórios, termina por submeter o coração a um esforço excessivo, causando a insuficiência cardíaca, que pode evoluir para a morte.
Com a doença estabelecida, a silicose não tem cura, restando somente interromper a sua evolução ao evitar-se a exposição ao pó de sílica. Portanto, prevenir os fatores de risco deve ser visto como medida a ser adotada no combate à doença.
O proprietário foi notificado e autuado, com a operação de jateamento de areia a seco proibida, evitando, desta forma, os potenciais riscos à saúde advindos da exposição à sílica presente na areia.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sexta-feira, 14 de junho de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA VISTORIA ESTÁDIO JK PARA OS JOGOS OLÍMPICOS E PARAOLÍMPICOS DE 2016

Hebert Andrade (Diretor de Vigilância Sanitária) durante vistoria no interior do Estádio JK
  
Itumbiara se candidatou, junto ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB), para sediar a representação de algumas das delegações estrangeiras que participarão das Olimpíadas e Paraolimpíadas no Brasil em 2016.
Para isso as conversações e a apresentação da documentação necessária já estão bastante adiantadas e tudo caminha para que a principal praça esportiva do município, o Estádio Juscelino Kubitschek de Oliveira, o nosso conhecido Estádio JK, juntamente com o seu Centro de Treinamento, anexo ao estádio, venham a ser utilizados para treinamentos destas delegações durante a realização dos jogos.
O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) exige que se atenda a uma série de requisitos e, dentre estes, alguns relacionados à acessibilidade e aspectos higiênico-sanitários das instalações no interior do Estádio JK, de acordo com as recomendações do COB.
Neste sentido, a Vigilância Sanitária de Itumbiara, com um corpo técnico capacitado nos aspectos relacionados ao seu âmbito de atuação, vem subsidiando a Superintendência Municipal de Praças Desportivas com orientações seguras que possibilitem a execução e a efetiva implementação das melhorias no Estádio JK, tornando nossa cidade elegível e possibilitando, desta forma, que a população possa contemplar e admirar, de perto, alguns dos melhores atletas do mundo dentro de suas modalidades.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quinta-feira, 13 de junho de 2013

INTERDIÇÃO DE COMUNIDADES TERAPÊUTICAS AINDA REPERCUTE NA IMPRENSA ESTADUAL

Hebert Andrade (Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara) conversa com internos de "clínica" interditada na BR-452
As interdições realizadas pela Vigilância Sanitária de Itumbiara em três “clínicas” para dependentes químicos em Itumbiara, além de outras duas interdições efetuadas pela Vigilância Sanitária de Goiatuba naquele município, ainda repercutem na imprensa estadual, demonstrando que o problema sobre a forma e a condução do tratamento deverá ser discutido por muito tempo com a sociedade e, principalmente com a comunidade científica das áreas da psiquiatria e da psicologia, buscando parâmetros que possam contribuir no processo de recuperação e reinserção social do indivíduo, de maneira autônoma, na sociedade.
Verifica-se que, naquelas instituições que tiveram suas atividades interrompidas por conta das irregularidades constatadas, ainda não se observou nenhum movimento que sinalizasse providências no sentido de se adequarem às exigências da Vigilância Sanitária de Itumbiara, ou de Goiatuba, permanecendo, portanto, fechadas e proibidas de funcionar.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara



domingo, 9 de junho de 2013

PROJETO DA ANVISA FARÁ A CATEGORIZAÇÃO PARA ELEVAR QUALIDADE SANITÁRIA DE ALIMENTOS

O projeto-piloto de Categorização dos Serviços de Alimentação foi o assunto do seminário realizado, sexta-feira (7/6), pela ANVISA com empresas do setor, em Brasília (DF). O projeto prevê a classificação dos serviços de alimentação nas cidades-sede da Copa 2014 e tem como objetivo permitir que o cidadão conheça o nível de adequação sanitária do local onde está comendo.
            Para o diretor da ANVISA, Jaime Oliveira, um dos principais ganhos desta iniciativa será de induzir uma avaliação crítica na população, que vai passar a conhecer a nota atribuída a bares, restaurantes e lanchonetes. Segundo Jaime, após a Copa o projeto será avaliado e poderá ser estendido para todo o país.
            Durante o seminário, foi apresentado um sistema eletrônico que vai permitir que os estabelecimentos participantes façam a autoavaliação e conheçam a própria nota. O sistema será o mesmo utilizado pelas vigilâncias sanitárias das cidades participantes e vai garantir que todos os serviços de alimentação sejam avaliados em condições de igualdade.
            O sistema de autoavaliação é um ponto inovador. Com isso os serviços de alimentação poderão, por si mesmos, fazer a aplicação do questionário antes da inspeção da vigilância sanitária. Segundo a gerente-geral de Alimentos da ANVISA, Denise Resende, o foco está na melhoria da qualidade e higiene na manipulação de refeições e não na punição.
            O projeto piloto também será levado para os aeroportos em que a ANVISA está presente. Como estes locais são a principal porta de entrada de turistas no Brasil, a Agência quer garantir que os serviços de alimentação destes ambientes também sejam classificados até o início do próximo ano.
            A Vigilância Sanitária de Itumbiara vem acompanhando todos os critérios que serão utilizados para a implantação deste projeto para que Itumbiara adote conduta semelhante na avaliação da qualidade do setor de serviços ligados à alimentação em nossa cidade, promovendo, desta forma, avanços neste importante segmento comercial de nossa cidade. FAÇA AQUI O DOWNLOAD DO MATERIAL DO PROJETO!
Fonte: ANVISA/VISA ITUMBIARA
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quinta-feira, 6 de junho de 2013

AÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA - MAIO 2013

As ações da Vigilância Sanitária de Itumbiara durante o mês de maio abrangeram, em todas as demandas exigidas do órgão, 220 fiscalizações em estabelecimentos comerciais, industriais e de saúde; 315 atendimentos públicos no órgão; 150 análises de parâmetros bioquímicos, como pH, Turbidez e Cloro Livre, realizados em 50 amostras de água coletadas nos diversos bairros de Itumbiara; 43 atendimentos de denúncias feitas ao órgão; 38 notificações; 24 intimações; 13 termos de orientação; 3 ações com a Superintendência de Endemias; 3 emissões de blocos de receituários de medicamentos sujeitos à controle especial; 2 ofícios respondidos ao Ministério Público; 1 auto de infração; 1 auto de apreensão e 1 coleta de alimento para análises no LACEN – GO. Somam-se a estes números os retornos, aqui não computados, efetuados para verificação de cumprimento de notificações e intimações emitidas no mês anterior.
Saliente-se, ainda, que, até o final do mês de maio, chegou-se à quantidade expressiva de 4.162 alvarás emitidos, possibilitando quantificar a magnitude de nossa economia e o tamanho do campo de atuação abrangido e sob a fiscalização deste importante órgão de regulação e normatização que é a Vigilância Sanitária de Itumbiara.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara