Total de visualizações de página

sexta-feira, 8 de março de 2013

CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DE ITUMBIARA TRATA TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) EM CÃES.

Dr. Celso Borges junto com a estagiária Cristhellem Mayara, aluna da Faculdade de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Itajubá - MG, tratam animal com TVT no Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara

O Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara (CCZ) vem fazendo tratamento nos animais errantes, capturados pala carrocinha, que estejam acometidos pelo tumor venéreo transmissível (TVT), conhecido como tumor de Sticker .
Considerado uma patologia muito comum é encontrado, com maior frequência, em animais de rua, cujos proprietários, sem o conhecimento científico necessário, às vezes abandonam os animais ou procuram formas mais drásticas para acabar com o problema, imaginando que tal patologia não tenha cura. Não envolve qualquer agente infeccioso em sua etiologia.
O tumor venéreo transmissível (TVT) é uma neoplasia maligna contagiosa que acomete especialmente a genitália externa dos cães. Todavia, pode atacar também, menos frequentemente, cavidade oral, pavilhão auditivo, baço, rins, fígado, pulmões, globo ocular, região anal, pele, faringe, encéfalo e ovários. O TVT ocorre igualmente em ambos os sexos, atacando preferencialmente animais jovens e que habitam regiões quentes.
A transmissão ocorre quando células tumorais ou neoplásicas são implantadas mecanicamente, através de montas naturais. O contágio normalmente ocorre durante o coito, mas pode ser transplantada por meio de arranhadura, lambedura ou pelo ato de cheirar o animal infectado. Inicia-se como um nódulo sob a mucosa genital, rompendo-se progressivamente pela mucosa suprajacente. Nas fêmeas, costuma acometer com maior frequência a vagina, vulva e região extragenital. No macho, o tumor é encontrado especialmente no prepúcio e pênis e em locais extragenitais.
A principal manifestação clínica é a presença do tumor ulcerado na genitália do animal (com aspecto de couve-flor), juntamente com a presença de secreção serosanguinolenta na vagina ou pênis, o que leva a uma lambedura constante dessa região.
Na pele, o TVT apresenta-se como nódulos isolados ou múltiplos. Essas ulcerações são de coloração esbranquiçada, acinzentadas ou rosadas e avermelhadas podendo estar associada à miíase e aos exsudatos purulentos.
Na região nasal, o tumor friável e sanguinolento pode resultar em dispnéia, respiração com a boca aberta, corrimento nasal, epistaxe, espirros e edema local. Depois de instalado na região nasal, pode alcançar a mucosa oral.
O diagnóstico é feito por meio dos achados clínicos, confirmado através de exames histopatológicos.
O tratamento pode ser feito por meio da remoção cirúrgica do tumor, porém este método não é efetivo em todos os animais. A quimioterapia é o tratamento de eleição quando há tumores múltiplos ou metastáticos, além de também poder ser usada como tratamento de primeira linha para tumores locais isolados.
Aspecto morfológico do Tumor Venéreo Transmissível (TVT)


Dr. Celso Borges de Almeida Júnior
Médico Veterinário
Coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara

2 comentários:

  1. guilherme_pedagogo@hotmail.com. Estou desesperado quanto ao tvt, a quase um ano minha cadela sofre com esse mal e não sei mais o que fazer. Por favor me ajude. entre em contato comigo via e-mail e me oriente a como proceder para poder ter minha cadela curada.

    ResponderExcluir
  2. Minha cadela está com nódulos..é não sei o q fazer.porq está sangrando e na região do pescoço..Por favor me oriente..é ajude-me.

    ResponderExcluir