Total de visualizações de página

terça-feira, 26 de março de 2013

ESCLARECIMENTOS SOBRE ALIMENTOS COM SOJA DA MARCA AdeS


Por precaução e para proteger a saúde da população brasileira, a ANVISA determinou, no dia 18/3/2013, a suspensão de fabricação, distribuição, comercialização e consumo de todos os lotes dos alimentos com soja, sabor maçã, de 1,5 litro, produzidos em 25 de fevereiro deste ano (Lote AGB25), da marca AdeS, produzidos pela linha de produção TBA3G, na fábrica da empresa Unilever Brasil Industrial Ltda, em Pouso Alegre (MG). A medida, válida para todo o território nacional, engloba todos os sabores do produto.
O consumidor que tiver adquirido os produtos não deve consumi-los. Em casos de queimaduras ou outro sintomas, procure imediatamente atendimento médico.
        Após ser questionada pela ANVISA por intermédio da notificação nº 5/2013, a empresa Unilever Brasil Industrial Ltda respondeu que havia identificado falha no processo de higienização das máquinas da referida linha de produção. A falha, de acordo com a empresa, teria resultado no envase de embalagens com solução de limpeza, em um lote do produto com sabor maçã.
        Apesar da Unilever já ter realizado o recall do lote do produto com sabor maçã (96 unidades, segundo informações da empresa), a ANVISA decidiu suspender todos os lotes de todos os sabores, produzidos na linha de produção em que foi identificada a falha, até que a Agência tenha mais informações sobre a verdadeira extensão do problema. Uma inspeção sanitária seria realizada pelas autoridades sanitárias estaduais e municipais na fábrica da empresa no dia 18/3/2013, onde seriam verificadas as condições sanitárias de produção do alimento e verificar se a falha identificada pela empresa foi solucionada.
        Caso seja verificado que o problema tenha, de fato, sido solucionado e que não atingiu outros lotes e sabores, os produtos poderão ser, novamente, liberados pela ANVISA.
Recomendação ao consumidor
         Os produtos fabricados na linha de produção TBA3G podem ser identificados pelos lotes que possuem as iniciais AG (A, significa a fábrica de Pouso Alegre e G, a linha de produção TBA3G). Desse modo, os consumidores e as vigilâncias sanitárias locais podem fazer a identificação dos produtos e retira-los de circulação. As embalagens de 200ml e 330ml fabricadas pela empresa não estão abarcadas na suspensão e podem ser comercializados e consumidas normalmente.
        Para realizar a troca ou reembolso do produto, o consumidor deve entrar em contato com o fabricante, a Unilever. A solicitação pode ser feita gratuitamente pelo SAC nº 0800 707 0044, das 8h às 20h, ou sac@ades.com.br. Em casos de dúvidas, a ANVISA dispõe de uma Central de Atendimento: 0800 642 9782.
Clique na foto abaixo e confira a tabela publicada no Diário Oficial da União com todos os produtos suspensos.
Fonte: www.anvisa.gov.br
Acesso em: 26/3/2013
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sexta-feira, 22 de março de 2013

CÃO DA RAÇA PIT BULL, VÍTIMA DE MAUS TRATOS, RECEBE TRATAMENTO E SE RECUPERA NO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DE ITUMBIARA

Dr. Celso Borges de Almeida Jr., Coordenador do CCZ de Itumbiara  ministra medicamento à cadela Pit Bull

A cadela da raça Pit Bull, com idade entre 3 a 4 anos, encontrada no dia 18/03/2013 em um terreno baldio no Bairro Paranaíba em Itumbiara, continua recebendo cuidados no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e já aparenta estar em franca recuperação. Apesar de todo o receio que os cães da raça Pit Bull possam infundir às pessoas, a cadela em tratamento no CCZ tem se mostrado bastante dócil e amigável com todos os funcionários que vem ajudando na sua reabilitação.
A conduta terapêutica, levada a efeito após a realização de exames minuciosos pelo médico-veterinário Dr. Celso Borges de Almeida Jr., coordenador do CCZ, busca reverter os quadros agudos de desnutrição e desidratação, além de tratar as várias lesões apresentadas por todo o corpo do animal em decorrência das condições em que a cadela fora abandonada pelo seu proprietário.
Vários medicamentos, como antibióticos, anti-inflamatórios e carrapaticidas, além de limpezas e curativos frequentes, vem sendo ministrados no tratamento do animal, cuja alta deve ocorrer dentro do prazo de 12 dias.
Considerando a evolução favorável da cadela Pit Bull, o médico-veterinário Dr. Celso Borges de Almeida Jr., já vem estudando o perfil de vários candidatos a adotá-la, devendo privilegiar um, dentre aqueles pretendentes, que possua maior conhecimento sobre esta raça de cães e que demonstrem melhores condições em propiciar um ambiente com amor e espaço adequado à criação do animal no seu futuro lar.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

Dr. Celso Borges de Almeida Jr.
Coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara





quinta-feira, 21 de março de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA VAI COBRAR CUMPRIMENTO DA LEI ESTADUAL Nº 16.797/2009

      
A Vigilância Sanitária de Itumbiara irá cobrar o cumprimento da Lei Estadual nº 16.797/2009, tornando obrigatório afixar os informes do telefone (3433-0498) e do endereço eletrônico (visa@itumbiara.go.gov.br) da Vigilância Sanitária de Itumbiara nos estabelecimentos como:
I - restaurantes;
II - bares;
III - sanduicherias, inclusive aquelas conhecidas como "pit-dogs";
IV - clínicas médicas e odontológicas;
V - hospitais públicos e privados;
VI - salões de beleza e clínicas de estética;
VII - farmácias e drogarias;
VIII - mercados, supermercados e hipemercados;
IX - empórios;
X - lojas de hortifrutigranjeiros;
XI - feiras livres;
XII - lojas de alimentos "in natura";
Essa medida tem como objetivo facilitar a comunicação entre o órgão e os consumidores que se sintam prejudicados nas suas relações de consumo de bens e serviços em nossa cidade.
Desta forma as denúncias chegarão rapidamente e poderão ser checadas imediatamente, protegendo o cidadão que, ao observar alguma irregularidade que atente contra a legislação sanitária de nosso município, necessite comunicá-la a Vigilância Sanitária de Itumbiara. 
        
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

        
          

terça-feira, 19 de março de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA FAZ SOLICITAÇÃO DE MERCADORIAS APREENDIDAS À RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Dra. Suely Lopes Ribeiro (Receita Federal do Brasil) recebe documentação referente à solicitação de mercadorias.

O Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara, Hebert Andrade, entregou a Dra. Suely Lopes Ribeiro, Analista Tributária da Receita Federal do Brasil, toda a documentação do município necessária à solicitação de mercadorias apreendidas pela Receita Federal.
O processo, iniciado em meados do ano passado, sofreu interrupção por conta do período eleitoral, sendo retomado este ano e tendo concluída toda a parte burocrática por parte do município, depois de um périplo por várias instâncias da administração na obtenção dos documentos exigidos.
Após todo esse tempo, atendendo sempre de forma solícita, cordial e transmitindo um otimismo singular, a Dra. Suely Lopes Ribeiro deixa bastante esperançosas as pretensões da Vigilância Sanitária de Itumbiara na concretização de mais este objetivo.
TECNOLOGIA DE INFORMÁTICA, IMAGEM E VÍDEO
Objetivando possibilitar a instalação de equipamentos de informática, em substituição àqueles avariados e/ou de configuração obsoleta, no intuito de melhorar a produtividade e o atendimento no órgão, auxiliando na montagem de uma central de tecnologia da informação, foram pleiteados micro computadores, notebooks, HDs externos, pen drives, cartões de memória, máquinas fotográficas e filmadoras, implementando, a partir daí, a informatização dos procedimentos de trabalho e possibilitando a digitalização, a documentação e o registro das ações de fiscalização realizadas no âmbito das atribuições da Vigilância Sanitária de Itumbiara.
Com isso, a Vigilância Sanitária de Itumbiara contará com instrumentos de trabalho imprescindíveis a um bom atendimento à população e ao desenvolvimento das ações de fiscalização, cujo registro e documentação adequada são de fundamental importância à consecução e validade jurídica dos atos emanados da autoridade sanitária e que serão exarados nos processos administrativos sanitários que poderão sobrevir a estas ações, quando configuradas as infrações às legislações pertinentes.
VEÍCULOS PARA FISCALIZAÇÃO
Outra solicitação requerida, e não menos importante, trata-se daquela relacionada à cessão de veículos - 1 (um) veículo tipo camionete (com cabine dupla) e 1 (um) veículo tipo passeio (5 lugares).
             Sendo assim, buscam-se soluções que possam aparelhar a Vigilância Sanitária de Itumbiara com instrumentos logístico-operacionais, como veículos adequados, que propiciem meios para o deslocamento nos trabalhos de fiscalização e, também, transporte de mercadorias e/ou produtos apreendidos, atendendo, desta forma, à demanda crescente exigida deste órgão no atendimento à população, bem como a todos os setores regulados por esse órgão na cidade de Itumbiara.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara






segunda-feira, 18 de março de 2013

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FEVEREIRO 2013

As ações desenvolvidas pela Vigilância Sanitária de Itumbiara no mês de fevereiro somaram 1.908 ações, pontificando, entre as demais, as emissões de alvarás de vigilância sanitária (1.108), decorrentes da exigência de renovação anual deste diploma legal que permite aos estabelecimentos comerciais, industriais e de prestação de serviços o exercício de suas atividades.
Também foram feitos atendimentos públicos nas dependências do órgão (450), realizadas fiscalizações (155), atendidas diversas denúncias (88), emitidas intimações (31), notificações (23), realizadas ações com Superintendência de Endemias (30), interditados estabelecimentos (7), emitidos autos de infração (6) e autos de apreensão (3), além de emissão de receituários de medicamentos sujeitos à controle especial (3) e, ainda, análise de alimento (1).
Saliente-se que a todas estas ações descritas acima, os retornos realizados para verificação do cumprimento das notificações emitidas em fiscalizações anteriores não foram somados, mas que, nem por isso, deixaram de consumir um tempo substancial no trabalho e na rotina operacional da Vigilância Sanitária de Itumbiara.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 17 de março de 2013

ALTERAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE EMPRESA E AUTORIZAÇÃO ESPECIAL


INFORMATIVO PARA FARMÁCIAS, DROGARIAS E DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.
ALTERAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE AFE E AE - CADUCIDADE
Conforme disposto na Lei 9782, de 26 de janeiro de 1999, as Autorizações de Funcionamento de Empresa (AFE) do ramo de medicamentos e insumos farmacêuticos (distribuidoras, importadoras, armazenadoras, transportadoras, exportadoras, fracionadoras, embaladoras, farmácias e drogarias) e Autorizações Especiais (AE) estão sujeitas à exigência de renovação anual. Tendo em vista o exposto, foram necessárias algumas mudanças no procedimento de trabalho da Agência de forma a considerar a caducidade das referidas autorizações. As mudanças se darão conforme abaixo delineado e deverão ser observadas para a manutenção da regularidade da empresa/estabelecimento.

1. A partir do dia 30/04/2013, as solicitações de renovação de autorização de funcionamento de empresa (AFE) e Autorização Especial (AE), protocolizadas nesta Agência fora do prazo regulamentar serão indeferidas e as respectivas autorizações serão consideradas caducas. A caducidade não será publicada em DOU e poderá ser visualizada na consulta de cadastro de empresas, disponibilizada na página eletrônica da ANVISA.

2. Para farmácias e drogarias serão considerados os prazos descritos na legislação específica, atualmente as Resoluções RDC 01/2010 e RDC 01/2012, que estabelecem o prazo para protocolo como sendo entre 90 (noventa) e 60 (sessenta) dias anteriores à data de vencimento para AFE e entre 180 (cento e oitenta) e 30 (trinta) dias anteriores à data de vencimento para AE.

3. Na ausência de regulamento que disponha acerca do período para protocolização dos pedidos de renovação (janela de protocolo) será considerado como sendo a data limite para o pedido de renovação o último dia de validade da autorização, que corresponde ao aniversário da data de publicação da concessão. É recomendado que o pedido seja realizado em data entre 120 e 150 dias anteriores ao vencimento.

4. As empresas que porventura estejam irregulares em relação à renovação da autorização para o exercício vigente, independente da renovação ou não de exercícios anteriores, deverão se regularizar por meio de pedido de concessão. No caso das importadoras, as mesmas poderão se regularizar por meio de pedido de renovação até 30/04/2013, tendo em vista a possibilidade de existência de registros de produtos.

5. Os pedidos de renovação em andamento não serão afetados. Os mesmos serão analisados nos moldes do procedimento vigente na data de peticionamento, independente da data que entrarem em análise.

6. Após 30/04/2013, a agência iniciará a caducidade das autorizações nos cadastros das autorizações das empresas que não peticionaram a regularização, nos moldes descritos anteriormente.

8. Os pedidos de alteração de AFE peticionados a partir de 30/04/2013 em autorizações caducas, assim como os pedidos de alteração correntes de autorizações que vierem a ser canceladas por caducidade após a referida data serão indeferidos.

Dúvidas deverão ser direcionadas para a central de atendimento no telefone 0800 642 9782 ou por meio da seção “fale conosco” na página eletrônica da ANVISA ou, ainda, na VISA municipal pelo telefone (64) 3433-0498 ou em nosso endereço vide cabeçalho.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


sexta-feira, 8 de março de 2013

CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DE ITUMBIARA TRATA TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) EM CÃES.

Dr. Celso Borges junto com a estagiária Cristhellem Mayara, aluna da Faculdade de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Itajubá - MG, tratam animal com TVT no Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara

O Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara (CCZ) vem fazendo tratamento nos animais errantes, capturados pala carrocinha, que estejam acometidos pelo tumor venéreo transmissível (TVT), conhecido como tumor de Sticker .
Considerado uma patologia muito comum é encontrado, com maior frequência, em animais de rua, cujos proprietários, sem o conhecimento científico necessário, às vezes abandonam os animais ou procuram formas mais drásticas para acabar com o problema, imaginando que tal patologia não tenha cura. Não envolve qualquer agente infeccioso em sua etiologia.
O tumor venéreo transmissível (TVT) é uma neoplasia maligna contagiosa que acomete especialmente a genitália externa dos cães. Todavia, pode atacar também, menos frequentemente, cavidade oral, pavilhão auditivo, baço, rins, fígado, pulmões, globo ocular, região anal, pele, faringe, encéfalo e ovários. O TVT ocorre igualmente em ambos os sexos, atacando preferencialmente animais jovens e que habitam regiões quentes.
A transmissão ocorre quando células tumorais ou neoplásicas são implantadas mecanicamente, através de montas naturais. O contágio normalmente ocorre durante o coito, mas pode ser transplantada por meio de arranhadura, lambedura ou pelo ato de cheirar o animal infectado. Inicia-se como um nódulo sob a mucosa genital, rompendo-se progressivamente pela mucosa suprajacente. Nas fêmeas, costuma acometer com maior frequência a vagina, vulva e região extragenital. No macho, o tumor é encontrado especialmente no prepúcio e pênis e em locais extragenitais.
A principal manifestação clínica é a presença do tumor ulcerado na genitália do animal (com aspecto de couve-flor), juntamente com a presença de secreção serosanguinolenta na vagina ou pênis, o que leva a uma lambedura constante dessa região.
Na pele, o TVT apresenta-se como nódulos isolados ou múltiplos. Essas ulcerações são de coloração esbranquiçada, acinzentadas ou rosadas e avermelhadas podendo estar associada à miíase e aos exsudatos purulentos.
Na região nasal, o tumor friável e sanguinolento pode resultar em dispnéia, respiração com a boca aberta, corrimento nasal, epistaxe, espirros e edema local. Depois de instalado na região nasal, pode alcançar a mucosa oral.
O diagnóstico é feito por meio dos achados clínicos, confirmado através de exames histopatológicos.
O tratamento pode ser feito por meio da remoção cirúrgica do tumor, porém este método não é efetivo em todos os animais. A quimioterapia é o tratamento de eleição quando há tumores múltiplos ou metastáticos, além de também poder ser usada como tratamento de primeira linha para tumores locais isolados.
Aspecto morfológico do Tumor Venéreo Transmissível (TVT)


Dr. Celso Borges de Almeida Júnior
Médico Veterinário
Coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara

quinta-feira, 7 de março de 2013

VIGILÂNCIA SANITÁRIA VISITA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIA


A Vigilância Sanitária de Itumbiara visitou hoje (7/3/2013) a empresa Louis Dreyfus e pode constatar que a unidade instalada em nossa cidade vem adotando as últimas tecnologias desenvolvidas para o tratamento de efluentes decorrentes dos processos utilizados na extração do óleo de carroço de algodão.
Na oportunidade foi apresentado à equipe de fiscalização da Vigilância Sanitária o funcionamento de vários setores da empresa e a preocupação constante com as questões sanitárias e ambientais nas operações realizadas na indústria instalada em nossa cidade.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara