Total de visualizações de página

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

VOCÊ SABE ONDE É FEITO, DE QUE FORMA E QUEM FAZ O PÃO QUE VOCÊ COME ?


Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria da Panificação e Confeitaria (ABIP), no Brasil existem mais de 63 mil panificadoras que atendem, diariamente, 44 milhões de brasileiros. Cerca de 96% dos estabelecimentos desse importante setor é composto de micro e pequenas empresas. Muitos desses estabelecimentos têm caráter familiar e estão distribuídos em todas as regiões do país. Os produtos panificados representam 10% do consumo de alimentos do país e o mercado tem registrado crescimento nas vendas (11% em 2008 e 13% em 2009), apesar da crise econômica mundial.
As padarias representam um segmento dos mais tradicionais do Brasil, combinando atividades de indústria e de comercialização de alimentos. O desenvolvimento do setor de panificação acentuou a concorrência, trouxe inovações em máquinas, equipamentos e processos de fabricação. Concomitantemente a este desenvolvimento, uma legislação sanitária que trata das condições sob as quais os estabelecimentos de panificação devem operar passou a ser exigida pelos órgãos de vigilância sanitária de todo o Brasil.
A grande maioria das padarias teve que se adaptar para sobreviver em meio às novas exigências da legislação e do mercado ao enfrentarem a concorrência do setor de padaria das grandes redes de supermercados. Infelizmente, a Vigilância Sanitária de Itumbiara ainda tem encontrado padarias “clandestinas” (ou de fundo de quintal) que produzem sem nenhuma preocupação com a higiene.
Os procedimentos de produção e as instalações verificadas nestes locais passam ao largo das chamadas “BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO” que são um conjunto de procedimentos higiênico-sanitários estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), através da Portaria nº 326 de 30 de julho de 1997 e Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004, para as indústrias de alimentos, independentemente do porte, com regras relacionadas à higiene pessoal, higiene dos utensílios e instalações, cuidados na produção, entre outras, que contribuem para a produção de alimentos seguros e que são destinados a impedir e controlar as contaminações (biológicas, químicas e físicas).
A Vigilância Sanitária de Itumbiara vem fiscalizando o setor de panificação de nossa cidade e verificando que, salvo raríssimas exceções, a grande maioria peca pela falta de organização e estrutura para produção de alimentos, limpeza inadequada dos equipamentos e instalações, matéria-prima armazenada incorretamente, culminando, principalmente, com a falta de higiene pessoal e a paramentação recomendada aos manipuladores durante o processo de fabricação dos produtos. Esses estabelecimentos que produzem em larga escala tanto para as comunidades locais, em seus bairros, quanto para Pit-Dogs distribuídos por toda a cidade, não tem se preocupado com a higiene e a qualidade do seu produto. Infelizmente, interdições à vista!

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


2 comentários:

  1. Parabéns,seu trabalho é de suma importancia para a populaçao de Itumbiara..continue sempre postando suas matérias.um abraço

    ResponderExcluir
  2. Um trabalho de suma importancia para a população parabéns Dr.Hebert.

    ResponderExcluir