Total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

DENGUE - DIAGNÓSTICO E MANEJO CLÍNICO


A identificação precoce dos casos de dengue é de vital importância para a tomada de decisões e implantação de medidas de maneira oportuna, visando principalmente evitar a ocorrência de óbitos. A organização dos serviços de saúde, tanto na área de vigilância epidemiológica quanto na prestação de assistência médica, é necessária para reduzir a letalidade por dengue no país, bem como permite conhecer a situação da doença em cada região. É mandatória a efetivação de um plano de contingência que contemple ações necessárias para o controle da dengue em estados e municípios.
           A classificação epidemiológica dos casos de dengue, que é feita habitualmente após desfecho clínico, na maioria das vezes é retrospectiva e depende de informações clínicas e laboratoriais disponíveis ao final do acompanhamento médico. Esses critérios não permitem o reconhecimento precoce de formas potencialmente graves, para as quais é crucial a instituição de tratamento imediato. Esta classificação tem a finalidade de permitir a comparação da situação epidemiológica da dengue entre os países, não sendo útil para o manejo clínico.
          Pelos motivos expostos, o Brasil adota, desde 2002, o protocolo de condutas que valoriza a abordagem clínico-evolutiva, baseado no reconhecimento de elementos clínico-laboratoriais e de condições associadas, que podem ser indicativos de gravidade, com sistematização da assistência, que independe da discussão de classificação final de caso, com o objetivo de orientar a conduta terapêutica adequada a cada situação e evitar o óbito.
          Apesar da existência desta ferramenta validada para condução de casos, a letalidade pela dengue permanece elevada no Brasil.
          Os autores concluíram: “o que parece influenciar diretamente a ocorrência do óbito é o manejo clínico dos casos. Verificou-se que a assistência aos pacientes não alcançou o nível de adequação esperada em nenhum dos serviços avaliados e que as recomendações do Ministério da Saúde para o manejo dos casos de dengue não estão sendo seguidas”. Neste estudo verificou-se que: os sinais de alarme e choque para dengue não são pesquisados rotineiramente; os profissionais não têm utilizado o estadiamento clínico preconizado pelo MS; a hidratação dos pacientes foi inferior ao preconizado pelo manual; os exames laboratoriais – como hematócrito, necessário para adequada hidratação e dosagem de plaquetas – não foram solicitados com a frequência recomendada; o tempo de entrega de resultados pelo laboratório foi inadequado para seguimento de pacientes com dengue; o tipo de assistência (supervisionada) e o intervalo de reavaliação foram inferiores ao estabelecido.
        Portanto, os esforços devem ser direcionados para a disseminação da informação e efetiva implantação das diretrizes contidas no Manual de Diagnóstico e Manejo Clínico preconizado pelo Ministério da Saúde do Brasil. CLIQUE AQUI PARA FAZER O DOWNLOAD DA PUBLICAÇÃO.
Fonte: Ministério da Saúde
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


domingo, 30 de dezembro de 2012

COMBATER A DENGUE É FÁCIL, SÓ NÃO PODE ESQUECER!


Conhecer o ciclo de vida e a biologia do vetor da dengue, o Aedes aegypti, permite-nos combatê-lo com mais eficiência. Nos vídeos abaixo, produzidos pela Fiocruz, você aprenderá mais sobre os cuidados que devemos ter para evitarmos a transmissão da dengue. 


 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 






domingo, 23 de dezembro de 2012

LIXO ELETRÔNICO INTERDITA CALÇADA, EXPÕE MORADORES A RISCO DE ACIDENTES E FAVORECE O APARECIMENTO DE FOCOS DE MOSQUITO TRANSMISSOR DA DENGUE NO BAIRRO NOSSA SENHORA DA SAÚDE EM ITUMBIARA.

A observação de comportamentos inadequados, por parte de algumas pessoas e empresas (principalmente borracharias) em nossa cidade, no tocante à disposição correta de lixo e entulhos, tem evidenciado a falta de educação e civilidade que, combinadas, vem colocando em risco a saúde da população.
           Nesta época do ano, em que o acúmulo de água, em qualquer material, facilita a proliferação do mosquito da dengue (Aedes aegypti) e dificulta sobremaneira o trabalho dos Agentes de Endemias, seria desejável que absurdos como este, mostrado na foto acima, na Av. São Paulo, no bairro N. Sra. da Saúde, não fossem presenciados em nossa cidade.
           A Superintendência de Endemias está agindo em conjunto com a Vigilância Sanitária de Itumbiara, utilizando-se para isso da Lei Sanitária de Itumbiara (Lei 2.833/2003), autuando todos aqueles, cujas atividades ou práticas inadequadas, possam propiciar ou contribuir para a propagação de doenças em nosso município.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA E SUPERINTENDÊNCIA DE ENDEMIAS RETIRAM MAIS DE 3.000 PNEUS DO MEIO AMBIENTE


Foram retirados do meio ambiente, no dia 18/12/2012, em Itumbiara, cerca de 3.000 pneus inservíveis, a maioria originários de carros de passeio, recolhidos nas borracharias e lojas da cidade que comercializam este produto e que vinham sendo depositados em uma instalação do DIAGRI, nas proximidades da Av. Modesto de Carvalho.
Essa operação foi resultado de uma ação articulada entre a Vigilância Sanitária de Itumbiara, Superintendência de Endemias e a empresa Reciclanip da cidade de São Paulo, contribuindo para evitar a proliferação do Aedes aegypti, que seria favorecida pelos criadouros advindos do acúmulo de água no interior destes pneumáticos.
Quando o ponto de coleta atinge 2.000 pneus de passeio ou 300 pneus de caminhão, a Reciclanip é comunicada e programa a retirada do material com os transportadores conveniados. A criação do ponto de coleta e toda a logística de transportes de saída do material do ponto de coleta fazem parte das responsabilidades da Reciclanip.
  A Reciclanip, entidade que cuida exclusivamente da coleta e destinação de pneus inservíveis no Brasil, percorre os pontos de coleta contendo os pneus inservíveis que, a partir daí, começam uma nova vida e podem ser reutilizados de diversas formas como, por exemplo, em fornos de cimenteira e para produção de asfalto ecológico.
Fundada em 2007, a Reciclanip é uma instituição sem fins lucrativos, criada pelas empresas que produzem pneus no Brasil para cuidar exclusivamente das ações de coleta e reciclagem, que já eram realizadas desde 1999 devido ao Programa Nacional de Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis.  As atividades da entidade atendem a resolução 416/09 do CONAMA, que regulamenta a coleta e destinação dos pneus inservíveis no Brasil.
A Reciclanip tem 726 pontos de coleta espalhados por todo o Brasil em parceria principalmente com prefeituras, que cedem o terreno de acordo com as normas de segurança e higiene, para recolher e armazenar os pneus.
 Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA INTERDITA DUAS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS IRREGULARES EM ITUMBIARA

 
Foram interditadas, em menos de 24 horas, entre os dias 11 e 12 de dezembro, duas comunidades terapêuticas em Itumbiara que vinham funcionando de forma irregular e operando na clandestinidade em nossa cidade. Uma destas ficava na Rua Quirinópolis, no Bairro Nova Aurora, e a outra, na Rua Eba, no Bairro Ernestina Borges de Andrade.
           Os estabelecimentos, além de não possuírem o Alvará de Vigilância Sanitária, também não contavam com responsáveis técnicos legalmente habilitados, necessários ao exercício desta atividade.
           A falta de vagas na rede pública de saúde, aliada a demanda crescente por tratamento contra a dependência química, tem incentivado pessoas sem o preparo adequado a se aventurarem na exploração deste filão, aproveitando-se muita das vezes do momento de fragilidade das pessoas que buscam, de forma desesperada, uma vaga que possibilite a seu familiar abandonar o vício, não se preocupando, porém, em se informarem sobre as propostas terapêuticas adotadas nestes estabelecimentos e sobre as condições em que estão funcionando.
           Entretanto, a Vigilância Sanitária de Itumbiara, ao efetuar a interdição destes locais, tem buscado evitar que situações lamentáveis, como as que foram noticiadas e denunciadas, incluindo maus tratos a internos, condições precárias de alimentação e de instalações destes estabelecimentos e, principalmente, a falta de assistência médica e psicológica venha a comprometer a credibilidade das instituições que trabalham de forma séria e responsável pela recuperação daqueles que buscam nestas comunidades terapêuticas o apoio necessário para se restabelecerem ao convívio familiar e social, de forma autônoma e produtiva.

   
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho

Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA ORIENTA RESTAURANTES ATRAVÉS DA DIVULGAÇÃO DE MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

Em um trabalho de divulgação do Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos que está sendo distribuído pela Vigilância Sanitária de Itumbiara pode-se constatar diversas dúvidas dos colaboradores e responsáveis pelos estabelecimentos do setor de alimentação de nossa cidade, principalmente em relação aos diversos aspectos envolvidos na produção de alimentos e a disposição adequada destes na área de consumação após a sua elaboração e preparo.
           Cuidados como a temperatura do banho-maria, armazenamento correto de matérias primas, uniformes e paramentação dos colaboradores, foram as questões mais levantadas durante a inspeção feita em um dos restaurantes visitados pela equipe de fiscalização.
           Assistam aos vídeos e, principalmente, leiam o manual que poderá ser retirado gratuitamente na Vigilância Sanitária de Itumbiara ou, ainda, através do download no link a seguir. Clique aqui para fazer o download do Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 9 de dezembro de 2012

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA E SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIVULGAM MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

 
A Vigilância Sanitária de Itumbiara deu início à distribuição do “Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos” junto à rede pública de ensino do município, entregando os exemplares da publicação na Secretaria Municipal da Educação que, posteriormente, serão distribuídos a todas as escolas municipais na cidade de Itumbiara e nos distritos de Meia-Ponte e Sarandi.
         A colaboração efetiva da Secretária Municipal da Educação, Maria Auxiliadora Nascimento Amorim, concorre de maneira decisiva para que esta iniciativa seja exitosa e possibilite levar o conhecimento e a informação necessária a todos os colaboradores da rede pública de ensino de nosso município, abordando, de forma didática, todos os aspectos higiênico-sanitários envolvidos na manipulação de alimentos durante todas as etapas do processo de preparo da alimentação aos alunos, observando, desta maneira os preceitos emanados da legislação que regula a execução desta atividade no âmbito da escola.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara