Total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA - AÇÕES REALIZADAS EM JANEIRO DE 2012

A vigilância Sanitária de Itumbiara realizou no mês de janeiro de 2012 um total de 1.586 procedimentos, incluindo-se aí Emissão de Guias e Alvarás, Análises de Parâmetros Físico-Químicos (pH, turbidez e cloro livre) de Amostras de Água de todos os bairros de Itumbiara, Atendimentos Públicos, Fiscalizações, Notificações, Atendimento de Denúncias, Coletas de Água, Visitas Técnicas, Vistorias, Intimações, Termos de Orientação Sanitária, Autos de Infração, Ofícios Respondidos ao Ministério Público e Secretária de Saúde, Ações com Superintendência de Endemias, Autos de Inutilização, Autos de Apreensão e Termos de Ajustamento de Conduta.
Objetivando agilizar e melhorar o nosso atendimento à população estamos aguardando, o aumento em nosso quadro de fiscalização, o que poderá ocorrer em breve, de acordo com o  titular da Secretaria de Administração e Recursos Humanos, Adriano Martins Lopes, que sempre se mostrou sensibilizado nesse sentido, devendo se pronunciar favoravelmente a favor da convocação de novos servidores, consoante a ordem de classificação do concurso realizado anteriormente (2008), cujo resultado já havia sido prorrogado. 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA FISCALIZA INSTALAÇÕES DO PRESÍDIO DE ITUMBIARA



A equipe de fiscalização da Vigilância Sanitária de Itumbiara deslocou-se nesta quarta-feira (22/02) até o presídio do distrito de Sarandi, no município de Itumbiara, com a finalidade de verificar as condições higiênico-sanitárias das instalações prisionais e uma possível relação com o aumento do número de queixas relacionadas à saúde da população carcerária, como dores abdominais, cefaléias, dores articulares e febre. Foram inspecionadas todas as instalações utilizadas para o preparo de alimentos e observadas as condições de armazenamento de cereais, carnes, verduras etc.
Conquanto as instalações e o espaço destinado à cozinha necessitem de algumas adequações, nada foi encontrado que pudesse ter alguma correlação direta com o aumento na demanda do atendimento aos internos do presídio às unidades de saúde do município, já que existe a prestação de atendimento médico por profissionais designados pela secretaria municipal de saúde para atuarem nas dependências do presídio, atendendo prontamente a população carcerária daquela unidade prisional.
Verificou-se que em uma lagoa de tratamento de esgoto e efluentes, nas imediações do presídio, sob a responsabilidade da Saneago, proliferam, em quantidades alarmantes, a população de mosquitos, que tiveram amostras de larvas recolhidas para análise e pesquisa, no intuito de se verificar se, entre as larvas a serem analisadas, encontra-se a  do Aedes aegypti.
A Vigilância Sanitária de Itumbiara dialogou com Wesley Vasconcelos, Supervisor de Produção e Recuperação do presídio de Sarandi, e também com os funcionários responsáveis pelo preparo dos alimentos, emitindo ao final um Termo de Orientação Sanitária para que as medidas elencadas no documento sejam implementadas e possibilitem, dentro das limitações técnicas e materiais encontradas, minimizarem-se os riscos de contaminação dos alimentos durante o preparo das refeições servidas à população carcerária daquela unidade prisional.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

AÇÃO ENTRE BATALHÃO AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA RETIRAM DE COMERCIALIZAÇÃO 232 Kg DE PEIXE IMPRÓPRIO PARA O CONSUMO

Em uma ação comandada pelo Sgto. Levi, do Batalhão de Polícia Militar Ambiental sediado em Itumbiara, secundada pela Vigilância Sanitária de Itumbiara, foram retirados da comercialização , cerca de 232 Kg de tambacu, que estavam sendo transportados de forma irregular, contrariando as normas sanitárias vigentes.
O pescado se encontrava na carroceria de uma camionete, acondicionado dentro de sacos plásticos oriundos de outros produtos agropecuários, sendo, portanto, reutilizados incorretamente para este fim, além da exposição à temperatura ambiente, portanto em condições totalmente inadequadas ao transporte e posterior comercialização deste tipo de produto.
Conquanto ou autor não tenha incorrido em crime ambiental, já que foi apresentada a nota fiscal de origem do produto, dando conta de que o mesmo teria a procedência de criatórios (tanques) da região de Inaciolândia, as condições em que o pescado era transportado corroboraram para que o produto fosse considerado impróprio para o consumo, de acordo com as leis sanitárias que regulam as condições para o acondicionamento, transporte e o comércio deste tipo de alimento.
Desta forma, foi emitido o Termo de Apreensão e Inutilização da mercadoria, com posterior descarte em aterro controlado, além de um Auto de Infração Sanitária ao proprietário do produto.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

CARTILHA ORIENTA TRABALHADORES SOBRE USO DE AGROTÓXICOS

Os trabalhadores rurais ganharam mais uma ferramenta para aprender sobre o uso correto de agrotóxicos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou cartilha com dicas de como evitar intoxicações por essas substâncias químicas e com  informações sobre o  uso seguro desses produtos.
A cartilha ensina como os trabalhadores podem identificar os principais sintomas de intoxicação aguda por agrotóxicos, seja por via oral, dérmica e inalatória.  “Com esse material em mãos, a população terá acesso a orientações sobre como agir e qual socorro buscar no caso de intoxicação por agrotóxicos”, afirma o diretor da Anvisa, Agenor Álvares.
Além disso, a cartilha apresenta recomendações que devem ser observadas no momento da compra de agrotóxicos. “O agricultor deve lembrar que existem agrotóxicos específicos para cada cultura, para cada praga e para cada fase do plantio. Sem falar que deve sempre pedir explicações sobre a melhor maneira de manipular esses produtos e sobre os equipamentos de proteção individual que devem ser utilizados durante o manejo dessas substâncias”, orienta o diretor da Anvisa.
A publicação da Agência também instrui os agricultores sobre as informações de classificação toxicológica dos agrotóxicos e as cores de rótulo e bula relacionadas a cada uma dessas classes.  Agrotóxicos classe I são extremamente tóxicos e são representados pela cor vermelha, os classe II são a altamente tóxicos e estão relacionados com cor amarela.
Já os agrotóxicos classe III são medianamente tóxicos e devem ser representados pela cor azul e os pouco tóxicos são de cor verde e estão na classe IV. “Essa classificação indica o grau de risco envolvido e não significa, de forma alguma, que os produtos das classes I e II são melhores que os demais no combate de pragas e doenças”, explica Álvares.
Outros pontos tratados pela cartilha dizem respeito à forma correta de transportar, utilizar, guardar e descartar agrotóxicos. O material ensina, ainda, o trabalhador rural a compreender melhor as informações de rótulo e bula desses produtos.
Dados
De acordo com o último levantamento do Sistema Nacional de Informações Tóxico - Farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz, foram registrados 11.641 casos de intoxicação por agrotóxicos no Brasil, em 2009, com 188 óbitos.  Dados das próprias indústrias de agrotóxicos apontam que, desde 2008, o Brasil assumiu o posto de maior consumidor de agrotóxicos em todo mundo, com um mercado que movimentou mais de US$ 7 bilhões, naquele ano.
Já o Programa de Análise Resíduos de Agrotóxicos da Anvisa identificou  irregularidades em 28%  das 2.488 amostras coletadas pelo Programa em 2010. Deste total, em 24, 3% dos casos, os problemas estavam relacionados à constatação de agrotóxicos não autorizados para a cultura analisada.

Já em 1,7% das amostras foram encontrados resíduos de agrotóxicos em níveis acima dos autorizados.  “Esses resíduos indicam a utilização de agrotóxicos em desacordo com as informações presentes no rótulo e bula do produto, ou seja, indicação do número de aplicações, quantidade de ingrediente ativo por hectare e intervalo de segurança”, evidencia Álvares.
Nos 1,9% restantes, as duas irregularidades foram encontradas simultaneamente na mesma amostra.
Acesse aqui a cartilha sobre agrotóxicos.

Fonte: Anvisa (www.anvisa.gov.br)
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


 



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

CURSO/PALESTRA E TREINAMENTO DA SUVISA E CRF-GO EM ITUMBIARA - 8-2-2012



Com a presença da maioria dos profissionais farmacêuticos de Itumbiara, além de representantes do comércio de medicamentos de nossa cidade, que lotaram o auditório do Palácio 12 de Outubro, foi realizado ontem (8/2/2012), com sucesso, o curso/palestra ministrado pela Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás (SUVISA/GO) e do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás sobre:
- Credenciamento e Transmissão do SNGPC (Sistema Nacional de        Gerenciamento de Produtos Controlados)
- Autorização Especial (para comércio de medicamentos sujeitos a controle especial)
- Liberação e Renovação de Autorização de Funcionamento Especial
- Liberação de Alvará Sanitário
O curso foi ministrado pela farmacêutica e presidente do CRF-GO, Dra. Ernestina Rocha, que também faz parte do corpo técnico da SUVISA/GO como Coordenadora de Fiscalização de Medicamentos sob Controle Especial.
A outra palestrante, Dra. Andréa Cristina de Carvalho, farmacêutica-bioquímica e técnica da SUVISA/GO, atuando como Sub-Coordenadora de Fiscalização de Medicamentos sob Controle Especial,  discorreu de forma brilhante sobre tópicos relacionados aos trâmites documentais e procedimentos na esfera da transmissão da movimentação de medicamentos sujeitos à controle especial no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados.
Dentro da programação também foram realizados vários atendimentos pela equipe do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás  aos profissionais, como por exemplo: Emissão de Certidão de Regularidade, Homologação de Responsabilidade Técnica, Alteração de Horários, Baixa de Responsabilidade Técnica/Firma, Justificativa ao Auto de Infração, Registro de Firma, Inscrição Profissional, Registro de Diploma, Alteração Social, Conferência de B.M.P.O. (VISA), Recebimento de R.M.N.R.A. (VISA) e A.I.P. de inutilização (VISA).

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

RENOVAÇÃO DE ALVARÁ DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE 2012

A EMISSÃO E RENOVAÇÃO DOS ALVARÁS DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE 2012 DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, INDUSTRIAIS E DE PRESTADORES DE SERVIÇOS JÁ ESTÁ SENDO REALIZADA PELA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA, NA RUA MARECHAL DEODORO Nº180 - TEL. 3433-0498.
TODOS OS ESTABELECIMENTOS DOS SEGMENTOS  ACIMA CITADOS DEVEM POSSUIR O ALVARÁ DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA QUE É O DIPLOMA LEGAL QUE POSSIBILITA QUE UMA ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POSSA SER EXERCIDA DENTRO DO QUE É PRECONIZADO PELA LEGISLAÇÃO SANITÁRIA QUE REGULA TODOS ESTES SETORES EM NOSSA CIDADE.

 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara