Total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

DENGUE - DIAGNÓSTICO E MANEJO CLÍNICO


A identificação precoce dos casos de dengue é de vital importância para a tomada de decisões e implantação de medidas de maneira oportuna, visando principalmente evitar a ocorrência de óbitos. A organização dos serviços de saúde, tanto na área de vigilância epidemiológica quanto na prestação de assistência médica, é necessária para reduzir a letalidade por dengue no país, bem como permite conhecer a situação da doença em cada região. É mandatória a efetivação de um plano de contingência que contemple ações necessárias para o controle da dengue em estados e municípios.
           A classificação epidemiológica dos casos de dengue, que é feita habitualmente após desfecho clínico, na maioria das vezes é retrospectiva e depende de informações clínicas e laboratoriais disponíveis ao final do acompanhamento médico. Esses critérios não permitem o reconhecimento precoce de formas potencialmente graves, para as quais é crucial a instituição de tratamento imediato. Esta classificação tem a finalidade de permitir a comparação da situação epidemiológica da dengue entre os países, não sendo útil para o manejo clínico.
          Pelos motivos expostos, o Brasil adota, desde 2002, o protocolo de condutas que valoriza a abordagem clínico-evolutiva, baseado no reconhecimento de elementos clínico-laboratoriais e de condições associadas, que podem ser indicativos de gravidade, com sistematização da assistência, que independe da discussão de classificação final de caso, com o objetivo de orientar a conduta terapêutica adequada a cada situação e evitar o óbito.
          Apesar da existência desta ferramenta validada para condução de casos, a letalidade pela dengue permanece elevada no Brasil.
          Os autores concluíram: “o que parece influenciar diretamente a ocorrência do óbito é o manejo clínico dos casos. Verificou-se que a assistência aos pacientes não alcançou o nível de adequação esperada em nenhum dos serviços avaliados e que as recomendações do Ministério da Saúde para o manejo dos casos de dengue não estão sendo seguidas”. Neste estudo verificou-se que: os sinais de alarme e choque para dengue não são pesquisados rotineiramente; os profissionais não têm utilizado o estadiamento clínico preconizado pelo MS; a hidratação dos pacientes foi inferior ao preconizado pelo manual; os exames laboratoriais – como hematócrito, necessário para adequada hidratação e dosagem de plaquetas – não foram solicitados com a frequência recomendada; o tempo de entrega de resultados pelo laboratório foi inadequado para seguimento de pacientes com dengue; o tipo de assistência (supervisionada) e o intervalo de reavaliação foram inferiores ao estabelecido.
        Portanto, os esforços devem ser direcionados para a disseminação da informação e efetiva implantação das diretrizes contidas no Manual de Diagnóstico e Manejo Clínico preconizado pelo Ministério da Saúde do Brasil. CLIQUE AQUI PARA FAZER O DOWNLOAD DA PUBLICAÇÃO.
Fonte: Ministério da Saúde
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


domingo, 30 de dezembro de 2012

COMBATER A DENGUE É FÁCIL, SÓ NÃO PODE ESQUECER!


Conhecer o ciclo de vida e a biologia do vetor da dengue, o Aedes aegypti, permite-nos combatê-lo com mais eficiência. Nos vídeos abaixo, produzidos pela Fiocruz, você aprenderá mais sobre os cuidados que devemos ter para evitarmos a transmissão da dengue. 


 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 






domingo, 23 de dezembro de 2012

LIXO ELETRÔNICO INTERDITA CALÇADA, EXPÕE MORADORES A RISCO DE ACIDENTES E FAVORECE O APARECIMENTO DE FOCOS DE MOSQUITO TRANSMISSOR DA DENGUE NO BAIRRO NOSSA SENHORA DA SAÚDE EM ITUMBIARA.

A observação de comportamentos inadequados, por parte de algumas pessoas e empresas (principalmente borracharias) em nossa cidade, no tocante à disposição correta de lixo e entulhos, tem evidenciado a falta de educação e civilidade que, combinadas, vem colocando em risco a saúde da população.
           Nesta época do ano, em que o acúmulo de água, em qualquer material, facilita a proliferação do mosquito da dengue (Aedes aegypti) e dificulta sobremaneira o trabalho dos Agentes de Endemias, seria desejável que absurdos como este, mostrado na foto acima, na Av. São Paulo, no bairro N. Sra. da Saúde, não fossem presenciados em nossa cidade.
           A Superintendência de Endemias está agindo em conjunto com a Vigilância Sanitária de Itumbiara, utilizando-se para isso da Lei Sanitária de Itumbiara (Lei 2.833/2003), autuando todos aqueles, cujas atividades ou práticas inadequadas, possam propiciar ou contribuir para a propagação de doenças em nosso município.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA E SUPERINTENDÊNCIA DE ENDEMIAS RETIRAM MAIS DE 3.000 PNEUS DO MEIO AMBIENTE


Foram retirados do meio ambiente, no dia 18/12/2012, em Itumbiara, cerca de 3.000 pneus inservíveis, a maioria originários de carros de passeio, recolhidos nas borracharias e lojas da cidade que comercializam este produto e que vinham sendo depositados em uma instalação do DIAGRI, nas proximidades da Av. Modesto de Carvalho.
Essa operação foi resultado de uma ação articulada entre a Vigilância Sanitária de Itumbiara, Superintendência de Endemias e a empresa Reciclanip da cidade de São Paulo, contribuindo para evitar a proliferação do Aedes aegypti, que seria favorecida pelos criadouros advindos do acúmulo de água no interior destes pneumáticos.
Quando o ponto de coleta atinge 2.000 pneus de passeio ou 300 pneus de caminhão, a Reciclanip é comunicada e programa a retirada do material com os transportadores conveniados. A criação do ponto de coleta e toda a logística de transportes de saída do material do ponto de coleta fazem parte das responsabilidades da Reciclanip.
  A Reciclanip, entidade que cuida exclusivamente da coleta e destinação de pneus inservíveis no Brasil, percorre os pontos de coleta contendo os pneus inservíveis que, a partir daí, começam uma nova vida e podem ser reutilizados de diversas formas como, por exemplo, em fornos de cimenteira e para produção de asfalto ecológico.
Fundada em 2007, a Reciclanip é uma instituição sem fins lucrativos, criada pelas empresas que produzem pneus no Brasil para cuidar exclusivamente das ações de coleta e reciclagem, que já eram realizadas desde 1999 devido ao Programa Nacional de Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis.  As atividades da entidade atendem a resolução 416/09 do CONAMA, que regulamenta a coleta e destinação dos pneus inservíveis no Brasil.
A Reciclanip tem 726 pontos de coleta espalhados por todo o Brasil em parceria principalmente com prefeituras, que cedem o terreno de acordo com as normas de segurança e higiene, para recolher e armazenar os pneus.
 Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA INTERDITA DUAS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS IRREGULARES EM ITUMBIARA

 
Foram interditadas, em menos de 24 horas, entre os dias 11 e 12 de dezembro, duas comunidades terapêuticas em Itumbiara que vinham funcionando de forma irregular e operando na clandestinidade em nossa cidade. Uma destas ficava na Rua Quirinópolis, no Bairro Nova Aurora, e a outra, na Rua Eba, no Bairro Ernestina Borges de Andrade.
           Os estabelecimentos, além de não possuírem o Alvará de Vigilância Sanitária, também não contavam com responsáveis técnicos legalmente habilitados, necessários ao exercício desta atividade.
           A falta de vagas na rede pública de saúde, aliada a demanda crescente por tratamento contra a dependência química, tem incentivado pessoas sem o preparo adequado a se aventurarem na exploração deste filão, aproveitando-se muita das vezes do momento de fragilidade das pessoas que buscam, de forma desesperada, uma vaga que possibilite a seu familiar abandonar o vício, não se preocupando, porém, em se informarem sobre as propostas terapêuticas adotadas nestes estabelecimentos e sobre as condições em que estão funcionando.
           Entretanto, a Vigilância Sanitária de Itumbiara, ao efetuar a interdição destes locais, tem buscado evitar que situações lamentáveis, como as que foram noticiadas e denunciadas, incluindo maus tratos a internos, condições precárias de alimentação e de instalações destes estabelecimentos e, principalmente, a falta de assistência médica e psicológica venha a comprometer a credibilidade das instituições que trabalham de forma séria e responsável pela recuperação daqueles que buscam nestas comunidades terapêuticas o apoio necessário para se restabelecerem ao convívio familiar e social, de forma autônoma e produtiva.

   
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho

Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA ORIENTA RESTAURANTES ATRAVÉS DA DIVULGAÇÃO DE MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

Em um trabalho de divulgação do Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos que está sendo distribuído pela Vigilância Sanitária de Itumbiara pode-se constatar diversas dúvidas dos colaboradores e responsáveis pelos estabelecimentos do setor de alimentação de nossa cidade, principalmente em relação aos diversos aspectos envolvidos na produção de alimentos e a disposição adequada destes na área de consumação após a sua elaboração e preparo.
           Cuidados como a temperatura do banho-maria, armazenamento correto de matérias primas, uniformes e paramentação dos colaboradores, foram as questões mais levantadas durante a inspeção feita em um dos restaurantes visitados pela equipe de fiscalização.
           Assistam aos vídeos e, principalmente, leiam o manual que poderá ser retirado gratuitamente na Vigilância Sanitária de Itumbiara ou, ainda, através do download no link a seguir. Clique aqui para fazer o download do Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 9 de dezembro de 2012

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA E SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIVULGAM MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

 
A Vigilância Sanitária de Itumbiara deu início à distribuição do “Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos” junto à rede pública de ensino do município, entregando os exemplares da publicação na Secretaria Municipal da Educação que, posteriormente, serão distribuídos a todas as escolas municipais na cidade de Itumbiara e nos distritos de Meia-Ponte e Sarandi.
         A colaboração efetiva da Secretária Municipal da Educação, Maria Auxiliadora Nascimento Amorim, concorre de maneira decisiva para que esta iniciativa seja exitosa e possibilite levar o conhecimento e a informação necessária a todos os colaboradores da rede pública de ensino de nosso município, abordando, de forma didática, todos os aspectos higiênico-sanitários envolvidos na manipulação de alimentos durante todas as etapas do processo de preparo da alimentação aos alunos, observando, desta maneira os preceitos emanados da legislação que regula a execução desta atividade no âmbito da escola.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
     


sexta-feira, 30 de novembro de 2012

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS SERÁ ENTREGUE AOS SEGMENTOS LIGADOS À ALIMENTAÇÃO

 
Um dos objetivos mais  arrojados, delineado no planejamento das ações desenvolvidas pela Vigilância Sanitária de Itumbiara no ano de 2012, é finalmente concretizado com o término da impressão e entrega de 3.000 exemplares ricamente ilustrados do Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos, cuja distribuição se iniciará à partir dos próximos dias.
A publicação será um marco na orientação de todos os setores ligados à alimentação em Itumbiara, servindo como um guia prático e rápido para consultas sobre todos os cuidados a serem observados nos procedimentos adotados dentro de estabelecimentos que produzam e/ou comercializem alimentos em nossa cidade.
Com um projeto artístico primoroso e um acabamento impecável a obra aborda de maneira didática diversos temas relacionados aos aspectos higiênico-sanitários que devem ser rigorosamente observados nas atividades relacionadas à alimentação.
Acreditamos que esse material facilitará sobremaneira não só o trabalho de orientação da Vigilância Sanitária de Itumbiara, mas também servirá como referência na obtenção de conhecimentos e informações sobre todos os aspectos que devam ser contemplados nas etapas de produção e comercialização de alimentos, desde a aquisição de matérias primas e produtos de qualidade comprovada, passando pelos cuidados durante a manipulação na área de produção e das condições ideais de conservação dos alimentos em sua exposição na área de consumação pelo público.
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


quinta-feira, 29 de novembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA MONITORA A QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA EM CLÍNICA DE HEMODIÁLISE DE ITUMBIARA

Simone Coser (Fiscal de Vigilância Sanitária) realiza coleta de amostra em um dos pontos do sistema de purificação de água
Hebert Andrade, Ana Maria Marcório (Enfermeira da Clínica de Hemodiálise), Simone Coser (Fiscal de Vig. Sanitária)
 
          A Clínica de Hemodiálise de Itumbiara, localizada ao lado do Hospital São Marcos, atende atualmente (em três turnos) cerca de 76 pacientes, em sua maioria de Itumbiara, mas também oriundos de outras cidades como Aloândia, Bom Jesus, Buriti Alegre, Cachoeira Dourada, Goiatuba, Inaciolândia, Joviânia e Morrinhos.
           A hemodiálise é um processo artificial que serve para retirar, por meio da filtração, todas as substâncias indesejáveis que vão se acumulando no sangue em decorrência da insuficiência renal crônica.
           O monitoramento da qualidade da água utilizada nos serviços de saúde onde pacientes com insuficiência renal crônica recebem tratamento, através da realização de hemodiálise, é considerado um dos parâmetros mais importantes para garantir a eficiência e a segurança deste procedimento. A água utilizada deve apresentar a qualidade recomendada pela legislação vigente e estar sob constante avaliação a fim de manter-se livre de contaminantes, permitindo que as sessões de hemodiálise transcorram sem riscos a saúde do paciente.
           Com a finalidade de verificar se a água utilizada no serviço de hemodiálise se encontra dentro dos padrões recomendados pela legislação preconizada a Vigilância Sanitária de Itumbiara recolhe amostras em vários pontos do sistema da unidade de hemodiálise do município e, posteriormente, as envia para as análises físico-químicas e microbiológicas no Laboratório de Saúde Pública Dr. Giovanni Cysneiros (LACEN-GO), permitindo identificar e quantificar a presença de substâncias e/ou micro-organismos que poderiam comprometer a qualidade da água utilizada no processo, colocando em risco a segurança dos pacientes.
           Cada paciente se submete a 3 sessões semanais de hemodiálise, com duração de cerca de 3 horas e meia cada uma, consumindo 120 litros de água por sessão, perfazendo um  total de 12 sessões por mês por paciente.  Levando-se em conta os 76 pacientes atualmente dependentes deste procedimento para sua sobrevivência, chegaremos a cifra considerável de 912 sessões de hemodiálise realizadas por mês, demandando um total de 109440 litros de água purificada pelos equipamentos utilizados pela clínica.  
           Estes números evidenciam a importância do monitoramento e do estrito controle da qualidade da água utilizada nesta unidade de saúde, corroborando, portanto, com a atenção especial que a Vigilância Sanitária de Itumbiara dispensa na realização deste trabalho, dentro de suas atribuições como órgão incumbido da tarefa de fiscalizar a prestação deste tipo de serviço de saúde em nossa cidade.
 
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA DIVULGA LOGOMARCA


Com o formato e as cores que nos remetem à bandeira nacional, incorporando ainda o brasão do município de Itumbiara, a Vigilância Sanitária de Itumbiara divulga a logomarca que será utilizada em peças publicitárias, informativos, uniformes e outros documentos do órgão. Desta forma, incorporando este símbolo, busca-se facilitar a sua identificação no desenvolvimento das ações junto ao setor regulado com aspectos visuais que venham a caracterizar as suas atuações no âmbito de suas atribuições.
Sendo assim, a Vigilância Sanitária de Itumbiara procura se afirmar junto à sociedade itumbiarense como um órgão que, subordinado à Secretaria de Saúde, tem buscado participar de nosso cotidiano como uma aliada de nossa população nas suas relações de consumo de bens e serviços em nossa cidade, funcionando como catalisador na implementação de políticas públicas de saúde ao fiscalizar o cumprimento da legislação sanitária dentro do município de Itumbiara .
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara 

domingo, 11 de novembro de 2012

PESQUISA REVELA REMÉDIOS MAIS CONSUMIDOS PELOS BRASILEIROS

O que tem na sua caixinha de remédios? Descongestionantes, vitaminas, analgésicos à base de dipirona, pílula anticoncepcional, antigripais e calmantes, ao menos de acordo com pesquisas de mercado feitas pela consultoria IMS Health e pela Associação Brasileira de Medicamentos Isentos de Prescrição, que mostram os medicamentos mais vendidos nas farmácias do país.
           A pedido da reportagem da Folha de São Paulo, especialistas comentam os riscos e os benefícios de algumas das categorias de drogas entre as mais procuradas pelos brasileiros.

ANALGÉSICO
           Medicamentos à base de dipirona sódica, como o Dorflex, estão entre os mais populares no país. O mecanismo de ação da dipirona, introduzida no mercado em 1922, ainda não é conhecido, mas estudos mostram que a droga faz seu trabalho de forma similar a outros analgésicos, inibindo a formação de substâncias envolvidas na inflamação e na sensação de dor.
           Segundo o médico Anthony Wong, diretor do Ceatox (Centro de Assistência Toxicológica do HC de São Paulo), a dipirona baixa a febre com mais rapidez do que o paracetamol (Tylenol). Wong destaca que o paracetamol pode causar danos ao fígado e que a aspirina aumenta o risco de sangramentos e problemas no sistema digestivo. "A aspirina, no entanto, é importante para quem tem problemas como trombose, infarto e artrite reumatoide, e estudos mostram que o uso preventivo pode evitar o surgimento de alguns tumores."
            Nos EUA, a dipirona foi retirada do mercado, na década de 1970, após estudos ligarem o uso do remédio à agranulocitose (redução da produção de células do sangue pela medula). Anos depois, esses estudos foram questionados. Outro efeito colateral da dipirona e de outros analgésicos é a síndrome de Stevens-Johnson, caracterizada por erupções nas mucosas.
CALMANTE
            O Rivotril ou clonazepam foi o sexto medicamento mais vendido no país entre 2011 e 2012, isso apesar de exigir receita controlada. A substância é da classe dos benzodiazepínicos, drogas que agem no cérebro, aumentando a ação de um neurotransmissor que inibe a atividade e a conectividade dos neurônios. Isso causa o efeito sedativo. No entanto, ainda há pontos nebulosos no mecanismo de ação da droga, vendida desde os anos 60.
             As indicações principais do Rivotril são para tratar convulsões, transtorno de ansiedade e depressão, mas ele tem se tornado cada vez mais uma "droga social", segundo o médico Anthony Wong, diretor do Ceatox do HC. Para ele, a presença do medicamento entre os dez mais vendidos do país é "inadmissível". "Ele tem grande potencial de criar dependência."
VITAMINAS
           No ranking de remédios isentos de prescrição que mais geram volume de venda, aparecem dois multivitamínicos: o Gerovital, que contém ginseng, vitaminas A, C, D, E e as do complexo B, além de minerais como ferro, e o Targifor C. O uso de vitaminas como complemento nutricional é controverso. Segundo o nutrólogo Celso Cukier, só pessoas com deficiências precisam de uma dose extra. "A maioria das dietas já atinge as necessidades diárias. Entre os que podem precisar de suplementação estão os idosos. Nesses casos, trabalhamos com vitaminas específicas em doses maiores."
           A ingestão exagerada pode causar efeitos colaterais. O excesso de vitamina A, por exemplo, pode causar danos ao fígado. Mas, segundo Cukier, problemas graves só vão acontecer se a pessoa usar altas doses por um período prolongado. Segundo o médico, muitos dos efeitos esperados pelo consumidor de vitaminas não são comprovados. "Não há evidência de que vitamina C previna doenças, a não ser em caso de atletas de alta performance." Cukier afirma que o cansaço é um sintoma importante que leva à procura das pílulas. "O cansaço pode ser sintoma de uma cardiopatia, uma doença inflamatória. Tomar o polivitamínico pode retardar um diagnóstico."
ANTIGRIPAL
           O Neosoro, solução nasal contendo cloreto de sódio, cloreto de benzalcônio e cloridrato de nafazolina, foi o remédio mais vendido nas farmácias no último ano. Os "fãs" das gotinhas se reúnem em grupos no Facebook ("Neosoro" e "Clube dos viciados em Neosoro"), onde lamentam a rapidez com que dão cabo de um frasco. Segundo o clínico Paulo Olzon, da Unifesp, o máximo que essa solução pode fazer é aumentar o conforto respiratório quando o ar está seco.
             Além do sal, a fórmula tem um vasoconstritor e um antisséptico. Anthony Wong, do Ceatox, diz que o abuso da solução pode levar à hipertrofia da mucosa. "O nariz fica obstruído pela reação inflamatória, e não há remédio que vá desentupir." Para Wong, é melhor usar soluções só com cloreto de sódio, para evitar efeitos colaterais.
Fonte:
Débora Mismetti
Editora-Assistente de "Ciência+Saúde"
Folha de São Paulo – 11/11/2012
                                                          Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
                                                 Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA PARTICIPA DO PROGRAMA "MULHERES MIL" DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS

A Vigilância Sanitária de Itumbiara vem buscando, de forma contínua e sistemática, participar e colaborar com os diversos segmentos organizados de nossa sociedade, no intuito de divulgar a toda população, de forma didática e pedagógica, os conhecimentos que abrangem o seu âmbito de atuação, colaborando, desta forma, para que o cidadão comum tenha condições de escolher e decidir, de forma racional, quando for às compras e estiver à frente da grande diversidade de produtos necessários nas rotinas domésticas e que são oferecidos nas mais variadas apresentações no comércio de nossa cidade.
          Foi assim que, a convite da direção do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Câmpus Itumbiara, o diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara, Hebert Andrade, participou, no dia 6/11/2012, do programa desenvolvido pelo Instituto Federal de Goiás, denominado “Mulheres Mil”, discorrendo sobre o módulo “Rotulagem de Saneantes”.
           Saneantes são produtos que facilitam a limpeza e a conservação de ambientes, sendo amplamente utilizados pela população, cuja produção e preparo, para uso próprio e no âmbito doméstico, será ensinado a todas as mulheres que estão participando do curso.
           Os conceitos sobre as informações observadas nos rótulos das diversas classes de produtos saneantes, cujo emprego faz parte das rotinas diárias do dia-a-dia dos lares itumbiarenses, foram discutidos em todos os seus detalhes e exemplificados de forma prática, através de uma série de produtos levados à sala de aula, propiciando o entendimento a todas participantes que, de agora em diante, saberão escolher, com mais propriedade, sobre qual o melhor produto levar para sua casa, tendo inclusive condições de, ao utilizarem a internet, descobrirem se aquele produto é registrado, ou não, na ANVISA.
             As alunas, em número superior a 100 (algumas até com suas crianças), foram divididas em dois turnos, vespertino e noturno, e tiveram participação ativa durante todas a aulas, deixando antever que, de lá, sairão consumidoras mais conscientes e com a informação necessária para opinarem, com conhecimento, sobre as melhores escolhas na hora de adquirirem seus produtos de limpeza como detergentes, amaciantes de roupas, água sanitária, sabões em pó e em barra, lustra móveis, álcool para limpeza, ceras e muitos outros produtos que fazem parte daqueles denominados saneantes.
           Atuando assim, a Vigilância Sanitária de Itumbiara se aproxima dos cidadãos e cidadãs de nossa cidade, estabelecendo uma relação de confiança e respeito e podendo oferecer, ao final, mais segurança e qualidade nas relações de consumo de bens (no caso da aquisição destes produtos descritos anteriormente) a toda a nossa população.
 
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
           Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA COLABORARÁ PARA CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL ( S.I.M.)


 
A Vigilância Sanitária de Itumbiara, dotada de corpo técnico com amplos conhecimentos sobre a legislação que regula a área de alimentos, deverá subsidiar tecnicamente a efetiva implantação do Serviço de Inspeção Municipal (S.I.M.) em Itumbiara.
           A experiência acumulada na prática diária de inspeções a estabelecimentos que produzem alimentos e na observação da infraestrutura mínima necessária aos ambientes destinados a essas atividades, possibilita e credencia a Vigilância Sanitária de Itumbiara a oferecer orientações que influenciarão de forma positiva na qualidade final dos produtos que forem inspecionados e venham a ser comercializados em nossa cidade, dando mais segurança ao consumidor ao adquiri-los em nosso comércio.
          Todos os alimentos que receberem o selo do S.I.M. estarão devidamente rotulados e poderão ser adquiridos e comercializados pelas grandes redes de varejo e supermercados de nossa cidade, fomentando a economia local e expandindo, principalmente, as atividades ligadas à produção de doces, conservas, queijos e pescado, além de outras.
          Desde há algum tempo a Vigilância Sanitária de Itumbiara vem se preparando para este momento, em que o incentivo pelo governo federal à agricultura familiar e às atividades ligadas a produção de pescado, ambas com enormes potenciais em nossa região, se apresentariam como oportunidades ímpares, privilegiadas por políticas públicas de financiamento para os pequenos produtores, oferecendo, então, para isso, o apoio técnico que possa atender as demandas que daí advirão, resultantes de toda a diversidade de empreendimentos que poderão ser alavancados com a criação do S.I.M.
         Aguardamos, portanto, com expectativa bastante positiva, a criação do S.I.M., acreditando que a sua concretização irá possibilitar e favorecer o aproveitamento de um enorme potencial ligado às diversas culturas no campo, à nossa generosa bacia leiteira e à não menos exuberante bacia hidrográfica do Rio Paranaíba.
 

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
         Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

ENTREVISTA - DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA FALA SOBRE AÇÕES REALIZADAS EM ITUMBIARA


Divulgar as ações desenvolvidas pela Vigilância Sanitária de Itumbiara sempre foi um compromisso que assumimos desde quando fomos convidados para a diretoria deste órgão da municipalidade, vislumbrando, pela veiculação através dos vários canais da imprensa, uma maior interação entre a Vigilância Sanitária de Itumbiara e os cidadãos de nossa cidade. Esta sintonia é imprescindível, já que a Vigilância Sanitária não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, sendo importantíssimas as denúncias que recebe quando qualquer pessoa perceba problemas sanitários decorrentes das relações de consumo de bens e serviços levados a efeito no seu cotidiano.
            Estamos caminhando também, na direção da consolidação de parcerias e cooperações técnicas entre as diversas instituições estabelecidas em nossa cidade, empresariais e educacionais, para, desta forma, colocando a força de nossa economia e o conhecimento científico juntos, encontrarmos soluções para questões que nos dizem respeito mais de perto.
          Elegemos a comunidade a que servimos como centro de nossas atenções e preocupações, orientando e valorizando os diversos setores ligados intrinsecamente à saúde e à qualidade de vida de nossa população, sendo, portanto, imperioso a constante divulgação de todas as ações que vem sendo realizadas, as quais buscamos veicular, regularmente, por todos os meios em disponíveis à nossa população.
 
                                                                         Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 

domingo, 21 de outubro de 2012

CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES TRATA E DEVOLVE ONÇA SUÇUARANA À NATUREZA





O Centro de Controle de Zoonoses de Itumbiara, através do Dr. Celso Borges de Almeida Jr. participou da captura e posterior devolução à natureza de uma onça suçuarana que foi encontrada por um morador do setor Vila de Furnas, em Itumbiara, após ter adentrado o quintal da residência e se refugiado em um dos cômodos da casa.
O fato, inusitado, além de curioso, expõe, para reflexão, a ação do homem sobre a natureza, ao prejudicar o equilíbrio de ecossistemas onde esses animais teriam comida farta e poderiam sobreviver, mantendo-se, assim, afastados da cidade e do contato com o homem.
Entretanto, o desmatamento e a cultura predominante da cana-de-açúcar em nossa região, interferem em toda cadeia alimentar e faz com estes animais predadores não encontrem o alimento (notadamente animais herbívoros de pequeno porte) necessário ao seu sustento, o que acaba forçando-os a procurá-lo em locais habitados, expondo-os ainda mais nessa luta pela sobrevivência. Felizmente que, desta vez, a consciência ecológica e ambiental do morador, ao acionar as instâncias competentes, impediu que algo de ruim pudesse acontecer ao animal, que somente chegou até ali porque buscava alimento para sua sobrevivência.
O animal foi conduzido até o Centro de Controle de Zoonoses onde, após repousar e receber os cuidados do médico-veterinário, bem como com a alimentação necessária, terminou sendo solto às margens do Rio Meia Ponte, no município de Itumbiara.


Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sábado, 13 de outubro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA FISCALIZA E INTERDITA ACADEMIAS IRREGULARES EM ITUMBIARA


Com o aumento da expectativa de vida das pessoas a sociedade contemporânea vem demonstrando uma preocupação muito maior com a estética, com a saúde e com a qualidade de vida do que há alguns anos. Segundo a ACAD (Associação Brasileira de Academias) existem no País cerca de 9.000 academias de ginástica e, entre estas, 4.800 estão cadastradas na associação nacional que representa o setor. Segundo essa entidade, o setor de Academias de Ginástica no Brasil a atende 1,7% da população representando um público de 2,8 milhões de pessoas.
           Sendo assim, a Vigilância Sanitária de Itumbiara vem realizando, desde o dia 4/10/2012, uma extensa fiscalização nas academias de ginástica de Itumbiara para verificar a presença do Educador Físico, enquanto responsável técnico legalmente habilitado, durante o horário de funcionamento para a prestação de serviços destes estabelecimentos.
           Segundo o artigo 115 da Lei Estadual 16.140/2007, os estabelecimentos de lazer e diversão, ginástica e práticas desportivas são estabelecimentos sujeitos ao controle e à fiscalização sanitária, sendo que, as academias de ginástica, consoante o artigo 124 da lei supracitada, somente funcionarão com a presença do responsável técnico ou de seu substituto legal.
           Infelizmente algumas academias vinham funcionando sem a presença do Educador Físico, além de não possuírem o Alvará de Vigilância Sanitária, configurando, portanto, uma infração sanitária de consequências graves, que acabou culminando com a interdição de três delas.
           A Vigilância Sanitária de Itumbiara esclarece aos proprietários destes estabelecimentos para que somente iniciem e exerçam suas atividades quando estiverem regularizados e com todos os documentos exigidos para a prestação deste tipo de serviço (certificado de regularidade junto Conselho Regional de Educação Física com o respectivo responsável técnico, Alvará de Vigilância Sanitária etc.). Além disso, recomenda-se aos praticantes de atividades físicas para que atentem às condições de higiene e limpeza destes locais, observando, ainda, se o estabelecimento possui o profissional Educador Físico, bem como os documentos acima citados, exigidos para pela legislação sanitária.
 
 Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
 Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
 

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - SETEMBRO DE 2012

                                                   
Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

terça-feira, 9 de outubro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA VAI PUBLICAR O "MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS" EDIÇÃO 2012


A Vigilância Sanitária de Itumbiara comunica que está desenvolvendo um trabalho para viabilizar a publicação do "Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos", conforme autorização concedida pela COVISA (Coordenação de Vigilância em Saúde), que é a responsável pela Vigilância Sanitária da Cidade de São Paulo, à Vigilância Sanitária de Itumbiara.
           Sendo assim estão convidados todos os segmentos empresariais que tenham interesse e queiram contribuir para que esta publicação venha a lume e possa ser distribuída a todos os setores que tratam e lidam com alimentação, ou com temas a ela relacionados, em nossa cidade. A contrapartida a esse patrocínio se dará com a impressão da logomarca da empresa interessada na contracapa da publicação e posterior divulgação junto a todos os segmentos por ela abrangidos.
           Esta obra é uma referência para todos aqueles que desejam se informar e adquirir conhecimentos sobre as recomendações e exigências higiênico-sanitárias que dizem respeito ao setor de alimentação, sejam eles restaurantes, churrascarias, lanchonetes, cantinas escolares ( incluindo-se aí o preparo da merenda escolar), bares, hotéis; enfim, todos os estabelecimentos onde se preparem e/ou comercializem alimentos.
           Os interessados em participar e saber mais sobre este projeto devem procurar a Vigilância Sanitária de Itumbiara, localizada à Rua Marechal Deodoro nº180 – Setor Central, ou pelo telefone (64)3433-0498, até o dia 20/10/2012.
 
                                                         Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
                                                Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 16 de setembro de 2012

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE OBJETIVA VACINAR MAIS DE 19.000 ANIMAIS CONTRA A RAIVA ANIMAL

A Secretaria Municipal de Saúde, através do Centro de Controle de Zoonoses, deu início à Campanha de Vacinação Contra a Raiva Animal no último sábado, dia 15/9/2012, quando foram montados postos de vacinação nos bairros Dionária Rocha, Vila Mutirão, Brasília, Vila de Furnas, Santa Rita, Jardim Liberdade, Planalto e Trindade. A campanha deste ano, diferentemente das anteriores, se estenderá por mais dois finais de semana. Desta maneira, busca-se atingir, com a cobertura vacinal, toda a população de animais, entre cães e gatos, acima dos 3 meses de idade.
No próximo sábado, dia 22/9/2012, teremos a vacinação nos seguintes bairros: Cidade Jardim (Escola Municipal Maria Leopoldina), Vila Vitória (Escola Municipal Adoniro Andrade), Novo Horizonte (CEMEI Augusto Andrey C. Soares), Santos Dumont (Escola Estadual Oscar Moisés), Norma Gibaldi (Escola Estadual Alaor Dias Machado), Bairro Marolina (Escola Estadual Peixoto da Silveira), Santa Inez (Escola Estadual Emília Maria Guimarães) e Paranaíba (CAIS).
No dia 29/9/2012, os postos de vacinação estarão instalados nos bairros: Social (Colégio Estadual Polivalente), Vila Beatriz (Escola Estadual Adelino Lopes de Moura), Setor Rodoviário (Escola Estadual Rui Barbosa), Buriti I, II e III (Escola Estadual Vinícius de Aquino), Jardim América (NABS), Alto da Boa Vista (Escola Municipal Dona Venância – Colégio Modelo), Nossa Senhora da Saúde (Escola Municipal Alexandre Arcipreti), Ulisses Guimarães (CEMEI Dona Leonor Loureiro), Remi Martins (CEMEI Santo Ângelo), Morada dos Sonhos (Escola Municipal Rosa Arantes), Praça São Sebastião e Praça da Rádio Difusora.
Espera-se que, com todos estes postos e, ainda, em três sábados consecutivos, todos os proprietários não deixem de levar os seus de animais para receberem a vacinação, contribuindo para que nossa cidade continue livre da ocorrência desta doença, a raiva, cuja maioria dos casos costumam ser fatais.

Dr, Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA INTERDITA DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS

Dr. Hebert Andrade, Dr. Ricardo T. Chueire, Dr. Fabiano G. de Paula e Dr. Alexandre Zakir 
Em um trabalho desenvolvido nos dias 12 e 13/9/2012, articulado entre a Vigilância Sanitária de Itumbiara, Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás, Polícia Civil do Estado de Goiás, Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo e a Corregedoria da Administração do Estado de São Paulo, representado pelo delegado da Polícia Civil do Estado de São Paulo e atual Coordenador do Departamento de Inteligência e Combate a Fraudes, Dr. Alexandre Zakir, foram encontradas diversas irregularidades, com indícios de crimes fiscais e contra a saúde pública, em distribuidoras de medicamentos de Itumbiara, algumas até reincidentes nestas práticas.
Esta constatação leva a crer que estas empresas possam estar envolvidas na receptação de medicamentos, principalmente aqueles utilizados no tratamento de diversos tipos de câncer, que foram extraviados e/ou roubados por organizações criminosas em outras unidades da federação e que, por conta de seu alto valor no mercado, depois seriam revendidas para unidades hospitalares que fazem tratamentos contra o câncer.
Na oportunidade foi verificado que, em algumas destas distribuidoras, havia a movimentação destes medicamentos, cujas notas fiscais de saída, não possuíam a respectiva nota de entrada destes produtos na empresa, ensejando, portanto, que, a sua aquisição, provavelmente não deva ter sido feita de maneira lícita. A não apresentação destas notas fiscais, irregularidades no armazenamento, medicamentos com embalagens avariadas e/ou informações raspadas, fez com que a Vigilância Sanitária de Itumbiara interditasse a empresa JC Bressaglia Distribuidora de Medicamentos, na Rua João da Cruz nº17, Bairro Santa Inez.
A constatação destas práticas configura uma conduta criminosa que atenta contra a legislação fiscal, sanitária e, principalmente, contra a vida, comprometendo totalmente o tratamento daqueles que se utilizariam destes medicamentos no combate à doença que, como todos sabem, por conta de seu avanço rápido e, às vezes, devastador, depende de um diagnóstico precoce e da medicação específica, adequadamente adquirida, armazenada e distribuída, para que se alcance o sucesso no seu tratamento.
Participaram desta operação Dr. Ricardo Torres Chueire, delegado da Polícia Civil do Estado de Goiás, Dr. Fabiano G. de Paula, delegado fiscal da Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás, Dr. Alexandre Zakir, delegado da Polícia Civil do Estado de São Paulo e atual Coordenador do Departamento de Inteligência e Combate a Fraudes e Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho, diretor da Vigilância Sanitária de Itumbiara, além das equipes de fiscalização dos respectivos órgãos citados anteriormente e de Agentes da Polícia Civil do Estado de Goiás.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

sábado, 8 de setembro de 2012

Vigilância Sanitária divulga o Manual Integrado de Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos


A ocorrência de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) vem aumentando de modo significativo em nível mundial. Vários são os fatores que contribuem para a emergência dessas doenças, entre os quais destacam-se: o crescente aumento das populações; a existência de grupos populacionais vulneráveis ou mais expostos; o processo de urbanização desordenado e a necessidade de produção de alimentos em grande escala. Contribui, ainda, o defi ciente controle dos órgãos públicos e privados no tocante à qualidade dos alimentos ofertados às populações.
Acrescentam-se outros determinantes para o aumento na incidência das DTA, tais como a maior exposição das populações a alimentos destinados ao pronto consumo coletivo – fast-foods –, o consumo de alimentos em vias públicas, a utilização de novas modalidades de produção, o aumento no uso de aditivos e a mudanças de hábitos alimentares, sem deixar de considerar as mudanças ambientais, a globalização e as facilidades atuais de deslocamento da população, inclusive no nível internacional.
A multiplicidade de agentes causais e as suas associações a alguns dos fatores citados resultam em um número significativo de possibilidades para a ocorrência das DTA, infecções ou intoxicações que podem se apresentar de forma crônica ou aguda, com características de surto ou de casos isolados, com distribuição localizada ou disseminada e com formas clínicas diversas.
Vários países da América Latina estão implantando ou implementando sistemas nacionais de vigilância epidemiológica das DTA, em face dos limitados estudos que se tem dos agentes etiológicos, a forma como esses contaminam os alimentos e as quantidades necessárias a serem ingeridas na alimentação para que possa se tornar um risco. Essas medidas vêm sendo estimuladas por recomendações e acordos internacionais, dos quais se destacam os subscritos pelo Brasil na VII Reunião Interamericana de Saúde Ambiental de Nível Ministerial (RIMSA) e na XXXV Reunião do Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).
Apesar da comprovada relação de várias doenças com a ingestão de alimentos contaminados, do elevado número de internações hospitalares e persistência de altos índices de mortalidade infantil por diarreia, em algumas regiões do País pouco se conhece da real magnitude do problema, devido à precariedade das informações disponíveis, fazendo-se necessária a estruturação de um Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos (VE-DTA), capaz, inclusive, de detectar a introdução de novos patógenos, como Escherichia coli O157:H7 e Salmonella typhimurium DT104.
Diante da complexidade do problema, da fragmentação e desarticulação das ações entre as várias áreas envolvidas, este Manual pretende apresentar o Sistema VE-DTA, que tem como marco metodológico a integração intrainstitucional e interinstitucional nos três níveis de governo. Este documento também visa normatizar as ações e os instrumentos utilizados na investigação de surtos de doenças transmitidas por alimentos, orientar quanto ao fluxo de informação do Sistema VE-DTA e dar suporte técnico para o desenvolvimento das atividades, proporcionando o trabalho integrado.
Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara