Total de visualizações de página

sexta-feira, 24 de março de 2017

FISCALIZAÇÃO EM SUPERMERCADO APREENDE CARNES E PESCADO

Fiscalização da Vigilância Sanitária observa a temperatura em ilha de armazenamento de carnes
A Vigilância Sanitária de Itumbiara, realizou, no dia 23/3/2017, fiscalização no estabelecimento Supermercado Bretas. Foram encontradas irregularidades na comercialização de alimentos, notadamente nos produtos de carnes e peixe (bacalhau), onde, nos primeiros (carnes), as temperaturas de armazenamento, expressamente recomendadas nas embalagens, pelos fabricantes, se encontravam superadas nas condições verificadas, conforme atestaram as observações e medições realizadas por termômetro à laser.
No caso do segundo produto apreendido (bacalhau), as embalagens primárias (que é aquela que fica em contato direto com o alimento) estavam corrompidas em alguns casos e, em outros, com as etiquetas de identificação do produto totalmente apagadas e/ou ilegíveis, não possibilitando as devidas informações sobre o peso e, principalmente, sobre a data de validade deste produto, inviabilizando totalmente sua percepção e compreensão pelo consumidor.
No total foram apreendidos e, posteriormente, inutilizados, cerca de 70 Kg de alimentos, com a empresa autuada pela venda destes produtos em condições inadequadas. Poderia parecer pouca coisa, se não fosse o potencial devastador que determinados micro-organismos, presentes em alimentos deteriorados, podem causar em organismos mais susceptíveis, como as crianças, e debilitados, como os mais velhos.
A Vigilância Sanitária de Itumbiara orienta para que os estabelecimentos sempre observem as informações contidas nas embalagens de cada produto, armazenando-os em temperaturas adequadas, de acordo com as recomendações para cada um.












quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

AVANÇOS E REALIZAÇÕES NA SAÚDE EM ITUMBIARA

Veículos novos, como utilitários, ambulâncias e vans, para transporte dos pacientes, recentemente adquiridos pela SMS
Atualmente, um dos maiores desafios impostos aos gestores públicos de saúde no Brasil tem sido compatibilizar a exiguidade dos recursos oriundos dos repasses constitucionalmente previstos e destinados às secretarias de saúde dos municípios com a crescente demanda pelos serviços médicos.
         Mesmo assim, algumas cidades conseguem se sobressair e contornar as dificuldades impostas pelas limitações financeiras, avançando na quantidade e na qualidade dos serviços de saúde públicos disponíveis à população. Itumbiara é uma delas.
         Nos últimos dois anos a Secretaria Municipal de Saúde, confiada pelo prefeito Chico Balla às mãos de Adriano Martins Lopes, vem implementando, em ritmo crescente, melhorias nas condições do atendimento aos usuários do serviço público de saúde, aparelhando todas as unidades do município com os mais modernos equipamentos médicos e odontológicos, capacitando suas equipes e, também, reformando e mobiliando cada unidade, dotando-as de excelentes condições de conforto e atendimento, necessários para oferecer o melhor tratamento aos pacientes.
         Somente nas Unidades Básicas de Saúde dos bairros Brasília, N. Sra. da Saúde, Marolina, Social, Planalto, Dionária Rocha, Paranaíba, Rodoviário, Vila Vitória, Sarandi, Meia Ponte, Parque dos Buritis, além do Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), os investimentos somaram, juntos, nos últimos dois anos, mais de R$ 800.000,00 (oitocentos mil reais) na realização de reformas estruturais e aquisição de equipamentos médicos e odontológicos para todas elas.
         Aparelhos de ultrassom, oxímetros, otoscópios, esfigmomanômetros adulto e infantil, balanças antropométricas, autoclaves, fotopolimerizadores, compressores, amalgamadores, cadeiras para aplicação de injetáveis, macas ginecológicas, cadeiras de rodas, focos ginecológicos, macas simples, biombos, aparelhos de ar-condicionado, televisores 40 polegadas, longarinas de 5 lugares, cadeiras simples e executivo, ambús, geladeiras, mesas grandes, mochos odontológicos para exames, prateleiras de aço, ventiladores de teto, arquivos, armários, computadores completos, lençóis etc. fazem parte de uma pequena mostra da extensa relação de todos os itens que foram adquiridos e distribuídos para todas as Unidades Básicas de Saúde do município.
         Mesmo diante de tamanha capilaridade do sistema de saúde de nossa cidade, formado pelas diversas Unidades Básicas de Saúde, CAIS, NABS e UPA, e dos gastos advindos de toda sua manutenção em pleno funcionamento, o prefeito Chico Balla, através do secretário municipal de saúde, Adriano Martins Lopes, ainda realizou investimentos outros, e em grande monta, que superaram a casa dos milhões de reais, contemplando: a reforma da recepção do Hospital Municipal Modesto de Carvalho, com a construção de amplos banheiros masculinos e femininos; reforma do Centro Cirúrgico e da Central de Esterilização; reforma de unidade semi-intensiva; ampliação do número de leitos de estabilização e de Pronto Socorro; reforma dos consultórios de ortopedia, ginecologia/obstetrícia e de pediatria; reforma da ala de psiquiatria; criação do Complexo Administrativo da SMS, abrangendo o Departamento de Tecnologia da Informação (TI), Tesouraria, RH, Ouvidoria, Farmácia Judicial e Farmácia de Alto Custo; construção de nova sede do SAMU, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde e com a implantação do serviço de motolâncias; instalação de aparelhos de ar condicionado em todos os quartos do Hospital Municipal; pintura das áreas internas e dos quartos; reformas na cozinha e nos sistemas elétrico e hidráulico do edifício.
Somando-se a tudo isso, os investimentos na saúde, realizados pela Prefeitura Municipal de Itumbiara no governo Chico Balla, através da Secretaria Municipal de Saúde, atingirão o seu ápice com o efetivo funcionamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Bairro Juca Arantes.
Segundo o secretário de saúde, Adriano Martins Lopes, esta nova unidade de saúde, que conta com os mais modernos equipamentos utilizados em medicina neste tipo de atendimento médico, dará rapidez e resolutividade nos casos de média e baixa complexidade, proporcionando ainda mais facilidade e conforto a todos aqueles que buscam os serviços médicos em nossa cidade.
         Também, recentemente, foram adquiridos seis novos veículos, compostos por utilitários, ambulâncias e Vans, que vem se somar aos demais da frota da Secretaria Municipal de Saúde, necessários à logística de transporte dos pacientes em tratamento nas cidades como Goiânia, Brasília, Anápolis, Trindade, Jales e Barretos.
         Para o secretário de saúde, Adriano Martins Lopes, as alegrias conquistadas, a cada desafio vencido, superaram de longe as dificuldades encontradas, deixando lições preciosas que servirão como bússola nos caminhos que na vida, onde e em qualquer que seja a seara de trabalho, ainda haverá de percorrer.
Observadores mais atentos dizem que, à despeito de todas as dificuldades econômicas por que passaram e ainda passam a maioria dos municípios brasileiros, com a competência administrativa primorosa do prefeito Chico Balla e o dinamismo insofismável do secretário de saúde Adriano Martins, o atendimento à saúde em Itumbiara acabou sendo colocado como prioridade e em patamares elevados, demonstrando, de forma patente, o compromisso dessa administração com a qualidade de vida de nossa população. 



segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

MOTOLÂNCIAS AGILIZAM O ATENDIMENTO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA EM ITUMBIARA

Pilotos socorristas preparados e motocicletas com todos os equipamentos necessários para realizarem o atendimento  

A Secretaria Municipal de Saúde colocou em operação, desde o dia 6 de outubro, um novo serviço de atendimento de urgência e emergência que agora, além das ambulâncias do SAMU, vem contando com duas motolâncias para atender a população.
Esses veículos, como o próprio nome sugere, são compostos de motos 250 cilindradas, Trail, que trafegam em qualquer tipo de terreno e agilizam bastante o atendimento, fazendo o serviço de apoio, quando necessário, até a chegada das ambulâncias do SAMU.
As motolâncias vem atuando, juntamente com as ambulâncias, em situações de urgência máxima, como paradas cardiorrespiratórias, acidentes vasculares cerebrais (AVCs), conhecidos popularmente como derrames, acidentes de trânsito, chegando, em média, cerca de 5 minutos antes das ambulâncias.

De acordo com o Secretário de Saúde, Adriano Martins, “ao agilizar o atendimento em situações em que o tempo de chegada pode fazer a diferença entre a vida e a morte, ou, ainda, diminuir as sequelas do paciente, as possibilidades de êxito são maiores, fazendo com que a redução de óbitos e do número e grau de sequelas caia significativamente”.
O atendimento feito pelas motolâncias é realizado por enfermeiros, em duas motos, sendo que uma delas está adaptada com equipamentos de ressuscitação, como desfibrilador cardíaco (para reversão de parada cardiorrespiratória), balão de oxigênio pequeno etc. e a outra moto, equipada de um compartimento com medicamentos, utilizados na estabilização e manutenção da condição clínica do paciente, até a sua remoção para o hospital municipal.
Conforme recomendação do Ministério da Saúde, este serviço deve ser feito somente em horário diurno, excetuando-se os dias chuvosos. Em Itumbiara, desde sua implantação, no dia 6/10, até o dia 31/10, foram realizados 65 atendimentos, executados em 20 dias desse período, quando não houveram chuvas e foi possível a atuação das motolâncias.
Conforme salienta Adriano Martins, Secretário de Saúde, “as dificuldades de deslocamento no trânsito de nossa cidade, por conta do elevado número de veículos, podem ser facilmente vencidas com a utilização das motolâncias, assegurando à toda população mais tranquilidade e certeza de um atendimento célere e de qualidade em situações de urgência e emergência, onde a rapidez fará enorme diferença na preservação da vida”.

domingo, 18 de dezembro de 2016

SMS CONSOLIDA AVANÇOS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO



A atuação da Secretaria Municipal de Saúde, comandada por Adriano Martins Lopes, consolida, através de um longo e extenso trabalho de conscientização e fiscalização, realizado pela Vigilância Sanitária, uma mudança de paradigma sobre a necessidade de adoção de soluções ambientalmente corretas no município, para a disposição e destinação final dos resíduos de serviços de saúde, também conhecidos como lixo infectante ou lixo hospitalar.
Essa mudança abrange todos os setores envolvidos, como, por exemplo, os segmentos: hospitalar (hospitais, clínicas médicas, clínicas e serviços de radiodiagnóstico e imagem, consultórios odontológicos etc.), farmacêutico (distribuidoras de medicamentos, drogarias e farmácias de manipulação), laboratorial (laboratórios químicos e de análises clínicas), veterinário (clínicas veterinárias), estúdios de tatuagem e piercing, funerárias etc., impedindo riscos ambientais decorrentes do descarte inadequado dos resíduos contendo material biológico ou químico, gerados nestes estabelecimentos em função da atividade que exercem.
NO PASSADO
Em um passado não muito distante, os resíduos gerados por todos esses estabelecimentos citados, eram motivo de preocupação pela relevância do passivo ambiental, resultante da quantidade produzida em suas atividades. Por conta do descarte inadequado, substâncias químicas, medicamentos industrializados e princípios ativos (utilizados em farmácias de manipulação) com prazos de validade expirados, materiais perfurocortantes (ampolas, seringas com agulhas etc., decorrentes da utilização na aplicação de medicamentos injetáveis), materiais com gaze e algodão contaminados com material biológico, acabavam parando em valas de uma área segregada do aterro controlado da cidade e que, mesmo tomadas todas as medidas mitigadoras para minimizar o impacto na natureza, terminavam suscitando questionamentos ambientais e judiciais.

A REALIDADE ATUAL
Dentro dessa perspectiva, a Secretaria Municipal de Saúde instituiu para si, nos estabelecimentos da rede pública de saúde do município, os mesmos procedimentos de conduta sobre o lixo infectante exigidos de todas as outras empresas e estabelecimentos geradores deste tipo de resíduo na rede privada, dando fim a uma preocupação que se arrastava, mas que, já há alguns meses, diante da vontade férrea, determinação e competência do atual titular da pasta, pôde ser prontamente solucionada.
Atualmente, todos os estabelecimentos públicos que geram resíduos de serviços de saúde no município (Hospital Municipal, NABS, CAIS, UBS, ESFs, NAPEO) são responsáveis pelo destino final adequado de tudo aquilo que é gerado em suas rotinas diárias, cuja coleta, para incineração, vem sendo realizada por empresa contratada pela Secretaria Municipal de Saúde. A quantidade estimada de coleta de resíduos de serviços de saúde, em todos esses locais, chega próximo de 3 toneladas/mês, sendo retirados em torno de 750 quilos semanalmente a um custo de R$ 3,50/quilo, consumindo cerca de R$ 10.500,00 por mês dos cofres da Secretaria Municipal de Saúde.
Todo o material coletado é levado para Anápolis para ser incinerado em altos fornos e reduzidos a cinzas que, posteriormente, são depositadas em aterro certificado pela SEMARH, órgão ambiental do Estado de Goiás.
Conforme o Secretário de Saúde, Adriano Martins, “todo esse gasto mensal, na execução do gerenciamento adequado dos resíduos de serviços de saúde, longe de ser uma despesa, trata-se de um investimento na preservação ambiental e na manutenção da qualidade de vida da população itumbiarense”.
A Vigilância Sanitária, em seu trabalho de fiscalização e monitoramento, por determinação da Secretaria Municipal de Saúde, continuará auxiliando na manutenção desta conquista, exigindo, no ato de renovação anual dos Alvarás Sanitários de todos os estabelecimentos, de todos os setores envolvidos, o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) com a respectiva cópia do contrato de prestação de serviços da empresa (que deve possuir certificado e licença dos órgãos ambientais) que será responsável pelo recolhimento e incineração dos resíduos retirados do estabelecimento, fazendo com que estas atividades ocorram de forma sustentável e ecologicamente correta, obedecendo, portanto, ao disposto na nossa legislação ambiental.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

CLIMATIZADORES, SEM MANUTENÇÃO ADEQUADA, PODEM SE TRANSFORMAR EM POTENCIAIS CRIADOUROS DO MOSQUITO AEDES AEGYPTI


         A preocupação com a saúde da população, principalmente nestes tempos de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, tem levado vários profissionais a darem a sua contribuição, transmitindo informações para que a coletividade se proteja do mosquito e, consequentemente, dessas doenças.
            A constatação de que alguns climatizadores, utilizados em estabelecimentos comerciais, e mesmo residenciais, poderiam se constituir em risco ao se transformarem em criadouros do mosquito Aedes aegypti, fez com que o farmacêutico Leandro Barbosa, da cidade de Itumbiara, realizasse um vídeo em que sugere a necessidade de correta e periódica inspeção neste tipo de aparelho, já que tais informações nem sempre, ou quase nunca, são prestadas pelo fabricante, muito menos pelos técnicos que fazem a instalação e manutenção do produto.
            Portanto, diante desta realidade, espera-se que os fabricantes disponibilizem informações mais claras e os proprietários destes equipamentos passem a realizar a verificação adequada, dentro de uma frequência de no máximo sete dias, para que não tenham dentro de seu comércio, ou de suas residências, uma verdadeira “bomba-relógio” como bem observou Leandro Barbosa, em sua contribuição, no vídeo apresentado.
Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Dossiê do Aedes aegypti

Dossiê do Aedes aegypti - Clique em cada uma das imagens e aprenda mais sobre a morfologia e o ciclo do mosquito.







Fonte: Folha de São Paulo

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 27 de dezembro de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA - AÇÕES DE COMBATE À DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

Sucatas de veículos acumulando água de chuva e se transformando em criadouros do mosquito Aedes aegypti

                    A Vigilância Sanitária e a Superintendência de Endemias vêm atuando de forma articulada, priorizando locais, considerados pontos estratégicos, para se evitar a propagação de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya. Nesses locais as instalações e atividades desenvolvidas, exigem cuidados redobrados para se evitar o aparecimento de focos do mosquito Aedes aegypti.
            Oficinas mecânicas, borracharias, ferros-velhos, locais onde carcaças de veículos e sucata são depositados, acumulando água, tem apresentado índices de infestação altíssimos pelo mosquito, demandando um trabalho meticuloso, extenuante e demorado para as equipes de fiscais da Vigilância Sanitária e dos agentes de endemias.
            Muitas empresas não vêm dando a devida importância para as notificações dos agentes de endemias, tratando-as, às vezes, com deboche, e também não atentando para a importância do combate ao mosquito, assustando-se, depois, com a chegada da Vigilância Sanitária que, considerando o risco sanitário e o alerta já dado anteriormente pela notificação da Superintendência de Endemias, penaliza, de pronto, com o auto de infração, cuja multa, de 49,81 UFIs, ultrapassa R$ 3.000,00. Além disso, com a remessa de cópia deste auto de infração para a justiça, se configurado o crime de propagação de epidemia, o autor responderá penalmente consoante o disposto no Código Penal, cujo capítulo trata dos crimes contra a saúde pública:
Art. 267. Causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos:
Pena – reclusão, de 10 (dez) a 15 (quinze) anos.
§ 1.º Se do fato resulta morte, a pena é aplicada em dobro.
§ 2.º No caso de culpa, a pena é de detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, ou, se
resulta morte, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos.
            A população vem reconhecendo a atuação firme dos órgãos de fiscalização e de combate à dengue, mas sem a participação de todos torna-se impossível vencer essa batalha, recomendando-se, portanto, que cada cidadão faça sua parte e cumpra seu papel, para que nenhuma vida se perca nessa luta contra as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.
 Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara 
    

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA E IFG APRESENTARÃO TRABALHO NO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DE QUÍMICA EM GOIÂNIA

       Instituto Federal de Goiás e Vigilância Sanitária de Itumbiara, conjugando o conhecimento científico com ações que impactam na saúde pública da população, apresentarão trabalho sobre “Monitoramento de Óleos e Gorduras nas Lanchonetes e Restaurantes de Itumbiara –GO no 55º Congresso Brasileiro de Química, a ser realizado em novembro em Goiânia.
         O trabalho, resultado da pesquisa realizada pelos alunos do IFG, coordenados pela doutora em Química Analítica, professora Simone Machado Goulart, foi realizado com base nos dados obtidos nas ações de fiscalização da Vigilância Sanitária em lanchonetes e restaurantes de nossa cidade, verificando a qualidade dos óleos e gorduras utilizados no preparo de alimentos colocados para consumo da população.
         Observa-se nesta cooperação a viabilidade de integração entre instituições de ensino superior e poder público, produzindo conhecimento e, ao mesmo tempo, ampliando a relevância das atribuições da Vigilância Sanitária de Itumbiara, cujo trabalho já vem sendo, inclusive, copiado por outras cidades do Estado de Goiás.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara 

domingo, 19 de julho de 2015

ORIENTAÇÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DO UNIFORME DE TRABALHO, HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS MÃOS E ACESSO À ÁREA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

As boas práticas de manipulação de alimentos devem observar vários aspectos. Observem, nos vídeos abaixo, alguns deles:

UTILIZAÇÃO DO UNIFORME DE TRABALHO


HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS MÃOS


ACESSO A ÁREA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS


CUIDADOS PARA NÃO CONTAMINAR ALIMENTOS


HIGIENIZAÇÃO DE FRUTAS, LEGUMES E VERDURAS


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

terça-feira, 30 de junho de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E IFG INICIAM O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO ÓLEO

Fiscal de Vigilância Sanitária afere a temperatura do óleo enquanto aluna do IFG aguarda para colocar a fita de monitoramento e verificar a qualidade do óleo.

     Com a participação de alunos do Programa de Educação Tutorial (PET) Química: Educação, Ambiente e Sociedade, do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal de Goiás, Câmpus Itumbiara, a Vigilância Sanitária iniciou um trabalho com a finalidade de verificar a qualidade do óleo utilizado em processos onde a fabricação de alimentos submete os alimentos à fritura, como, por exemplo, nas pastelarias, lanchonetes e restaurantes de Itumbiara. As observações recolhidas irão subsidiar a produção de trabalho científico de pesquisa acadêmica que será publicado e, também, divulgado em congressos de Química nos quais os alunos participarem. 
         O monitoramento do óleo é efetuado através de imersão de uma fita no produto por dois a cinco segundos, na temperatura de fritura (aproximadamente 150 ºC), observando-se, posteriormente, a mudança de coloração da fita. Conforme a mudança observada, tem-se uma indicação da qualidade do óleo em utilização. Dependendo do resultado verificado, recomenda-se a troca do óleo e o descarte adequado daquele que vinha sendo utilizado.
Resultado mostra que o produto está dentro dos parâmetros recomendados para sua utilização
        Já foram visitados os seguintes locais: Ponto dos Pastéis, Famoso Pastel, Lanchonete da Agência Recreio, Sucão, Casa do Pastel, Namura Lanches, Natura Salgadinhos, Pastelaria Hong Kong, Restaurante e Lanchonete do Edinho, Bileu’s Bar, Pastelaria do Dedé, Pastelaria Dona Zená e Lanchonete Alves. Em todos estes estabelecimentos a leitura indicou que a qualidade do óleo estava dentro dos parâmetros recomendados para a fritura dos alimentos.

        Como já se sabe, fritar os alimentos facilita a formação de substâncias cancerígenas que serão consumidas ao ingeri-los, podendo, desta forma, aumentar o risco de câncer, posto que, quando o óleo já está com a composição química alterada e, ainda, é aquecido a temperaturas utilizadas para fritar (150 ºC), compostos potencialmente cancerígenos, que incluem a acrilamida (encontrado em alimentos ricos em carboidratos, como batatas fritas) e acroleína (substância química também encontrada em herbicidas), podem se formar e contaminar o alimento frito. A concentração desses compostos tóxicos (acrilamida e acroleína) aumenta com a reutilização do óleo e o aumento do tempo de fritura.
Aluna do IFG coleta informações sobre o modo de preparo dos alimentos dentro do estabelecimento.
              A iniciativa deste trabalho contou com o apoio da empresa Cargill Agrícola S/A, que colaborou fornecendo os kits de monitoramento de óleos e gorduras.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quinta-feira, 25 de junho de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA ORIENTA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS NO 11º ARRAIÁ DE ITUMBIARA

          Fiscais de Vigilância Sanitária distribuíram material sobre os cuidados na manipulação de alimentos
ORIENTAÇÃO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DO 11º ARRAIÁ DE ITUMBIARA – GOIÁS.
- USO DE COPOS, CANUDOS E GUARDANAPOS DESCARTÁVEIS;
- OS ALIMENTOS EXPOSTOS DEVERÃO ESTAR COBERTOS COM PLÁSTICOS LIMPOS E TRANSPARENTES OU VASILHAS PLÁSTICAS LIMPAS, EVITANDO-SE INSETOS E POEIRA;
- OS MANIPULADORES DEVERÃO UTILIZAR EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs), TAIS COMO: AVENTAL (OU JALECO), PROTEÇÃO PARA OS CABELOS (TOUCA DE COR CLARA E LIMPA), CALÇADOS FECHADOS;
- DURANTE O PROCESSO DE MANIPULAÇÃO OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS NÃO DEVEM UTILIZAR ADORNOS (ANÉIS, ALIANÇAS, PULSEIRAS);
- TODOS OS COMERCIANTES/AMBULANTES DEVERÃO REALIZAR A COLETA DO LIXO PRODUZIDO PELO SEU ESTABELECIMENTO E PELOS SEUS CLIENTES UTILIZANDO-SE DE SACOS PLÁSTICOS RESISTENTES, FECHANDO-OS DE MANEIRA ADEQUADA;
- É PROIBIDO O USO DE MAIONESE, MOSTARDAS E CATCHUPS EM TUBOS (PERMITINDO-SE SOMENTE O USO DE SACHÊS);
- NÃO MANUSEAR DINHEIRO E ALIMENTOS;
- UTILIZAR PEGADORES ESPECÍFICOS PARA OS ALIMENTOS;
- VERIFICAR SEMPRE AS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO E O PRAZO DE VALIDADE DAS MATÉRIAS-PRIMAS ADQUIRIDAS. COLOCAR ETIQUETAS NOS RECIPIENTES QUE CONTENHAM ALIMENTOS/MATÉRIAS PRIMAS E O PRAZO DE VALIDADE DOS PRODUTOS NELES CONTIDOS.


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


terça-feira, 23 de junho de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PROCON AUTUAM SUPERMERCADO E RECOLHEM QUASE 300 KG DE CARNE IMPRÓPRIA PARA CONSUMO




Em uma ação conjunta, Vigilância Sanitária e Procon, apreenderam quase 300 kg de carne que estavam com sinais de deterioração (odor de putrefação) e se encontravam estocadas para salga dentro de um supermercado no setor Afonso Pena. Os produtos seriam salgados, colocados ao sol e posteriormente vendidos aos consumidores.
Além dessa irregularidade, outras, também muito graves, foram encontradas, principalmente a falta de higiene nos locais de panificação, no açougue e outras áreas do supermercado, fato que acabou acarretando a interdição parcial do estabelecimento.
Portanto, a padaria e o açougue ficarão interditados até que todas as irregularidades encontradas nestes dois locais sejam corrigidas.
Algumas prateleiras apresentavam excrementos de roedores ao lado de alimentos colocados à venda, em um sinal evidente de que a falta de desratização vinha comprometendo as condições de higiene no local.
O supermercado, além da interdição parcial (padaria e açougue) e da apreensão da mercadoria, recebeu um auto de infração da Vigilância Sanitária e terá prazo, de até 15 dias, para apresentar defesa. A multa (32,20 UFIS), caso a defesa seja indeferida, ultrapassa R$ 2.000,00.


Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara  

sexta-feira, 5 de junho de 2015

COOPERAÇÃO ENTRE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS E CARGILL AGRÍCOLA S/A ORIENTARÁ SOBRE QUALIDADE DE ÓLEOS UTILIZADOS NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DE ITUMBIARA

Alunos do IFG, Hebert Andrade e Dra. Simone Goulart, no Laboratório de  Cromatografia Líquida de Alta Performance

      A Vigilância Sanitária de Itumbiara, com a participação de alunos Programa de Educação Tutorial (PET) Química: Educação, Ambiente e Sociedade, do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal de Goiás, Câmpus Itumbiara, orientados pela prof.ª Dra. Simone Machado Goulart, fará um trabalho de orientação nos serviços de alimentação de nossa cidade sobre a importância do monitoramento da qualidade dos óleos utilizados nestes locais, principalmente quando destinados ao preparo de alimentos fritos.
         A iniciativa deste trabalho conta com a colaboração da empresa Cargill Agrícola S/A, fornecendo os kits de monitoramento de óleos e gorduras, cujos resultados das observações deverão redundar em trabalho científico de pesquisa acadêmica que será enviado para apreciação em revistas especializadas para, posteriormente, poderem ser publicados e, também, serem divulgados em congressos de Química.  
         Fritar os alimentos pode facilitar a formação de substâncias cancerígenas que serão consumidas ao ingeri-los. Alguns dos possíveis mecanismos que envolvem o risco aumentado de câncer incluem o fato de que, quando o óleo já está com a composição química alterada e, ainda, é aquecido a temperaturas acima daquelas utilizadas para fritar (150 ºC), compostos potencialmente cancerígenos podem se formar e contaminar o alimento frito.
        Os compostos cancerígenos produzidos no processo de fritura incluem acrilamida (encontrado em alimentos ricos em carboidratos, como batatas fritas) e acroleína (substância química também encontrada em herbicidas).
         A concentração desses compostos tóxicos (acrilamida e acroleína) aumenta com a reutilização de óleo e o aumento do tempo de fritura. Por exemplo, um peito de frango frito submerso em óleo por 20 minutos contém mais de nove vezes a quantidade de compostos tóxicos do que um peito de frango cozido por uma hora.

REUTILIZAÇÃO DO ÓLEO PROVOCA DOENÇAS



              A reutilização e a alta temperatura do óleo nas frituras, independente do estudo que aponta os males da acrilamida, já não é bem visto para quem deseja manter a saúde. O correto é que o óleo seja utilizado uma única vez para fritura. Isso porque o reaquecimento faz o produto liberar a acroleína, uma substância tóxica que pode provocar irritação no estômago. Os riscos são ainda maiores quando o óleo da fritura é submetido a temperaturas superiores a 200 ºC, como na maioria das pastelarias que, utilizam o mesmo óleo muitas vezes e, a todo momento, reaquecem o produto.
        
RECIPIENTE ADEQUADO TAMBÉM É IMPORTANTE NA HORA DE FRITAR

           Outra constatação é que quanto maior for o espaço ocupado pelo óleo na panela ou frigideira, maior é a oxidação do produto. O ideal, nas frituras, é que a superfície seja menor que o volume de óleo. Caso contrário, o óleo ficará cada vez mais escuro, à medida que vai sendo usado.
         Ainda não existe uma legislação específica sobre a quantidade de vezes que os óleos podem ser usados para frituras, por isso ainda há poucos cuidados em relação ao assunto. Neste sentido, a adoção de medidas que permitam verificar a qualidade do óleo utilizado nos serviços de alimentação poderá concorrer para uma alimentação mais saudável e um diferencial na qualidade dos produtos colocados à venda para a população nos serviços de alimentação de nossa cidade.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

domingo, 24 de maio de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PROCON, EM AÇÃO CONJUNTA, ATENDEM RECOMENDAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO


      Seguindo Recomendação nº 03/2014 do Ministério Público, através do Dr. Marcelo de Freitas, da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, a Vigilância Sanitária de Itumbiara e Procon vem realizando, em ação conjunta, fiscalização nos serviços de alimentação e nos fornecedores de alguns produtos para estes estabelecimentos.
       Desde o início deste ano, já foram fiscalizados vários locais, principalmente aqueles com maior fluxo de consumidores em nossa cidade, como, por exemplo: Restaurante Arvoredo, Restaurante Ponte Velha, Restaurante Samambaia, Restaurante Fabioziana, Restaurante Pitadela, Tablado Restaurante, Laredo Steak House, Giraffas, Subway, Restaurante Casa Velha, Caipira Bão, Paparazzi Grill, Usina Grill, Pizzaria Pirandello, Churrascaria Nova Imperial, Restaurante Cozinha Caseira, Restaurante Banzai Oriental, Restaurante Lunar, Churrascaria Gigantão, Restaurante Delícias da Roça, Restaurante D’Bellas, Restaurante do Bacana, Churrascaria Guaporé, Namura Lanches, Lanchonete Bom Giovani, Lanchonete do Edinho, Bileu’s Bar, Sabor Serra, Teu Café, Kiwi Sorvetes, IGM e Palhoça, sendo, estes dois últimos, como fornecedores de produtos utilizados na confecção e preparo de alimentos.
       Observou-se que, com algumas exceções, em certos casos muito críticas, os cuidados dispensados na aquisição e armazenamento dos produtos e no preparo dos alimentos, vem avançando em relação às fiscalizações anteriores, mas, ainda, pode e precisa melhorar bastante.
     Nesse sentido, Vigilância Sanitária e Procon, pretendem promover, em breve, no auditório do Procon, a realização de um curso de atualização em “Boas Práticas de Manipulação e Fabricação de Alimentos” destinados à todos os colaboradores destes estabelecimentos, contando, para isso, com aulas ministradas pelo corpo técnico dos dois órgãos, notadamente uma profissional graduada em Engenharia de Alimentos, fiscal de Vigilância Sanitária de Itumbiara, além de outros profissionais que trabalham nos dois órgãos e que versarão sobre assuntos regulatórios, principalmente os afetos à regulamentação, aplicação e cumprimento das normas técnicas e aspectos legais relacionados a estas atividades, como a legislação sanitária e o Código de Defesa do Consumidor, respectivamente. 
       O trabalho terá continuidade, se estendendo para todos os serviços de alimentação de nossa cidade, através de novas incursões a locais que ainda não receberam as equipes de fiscalização e, ainda, verificando-se as irregularidades que foram constatadas nos locais já visitados foram sanadas ou, conforme o caso, se as correções exigidas, que demandem mais tempo, estão sendo implementadas dentro dos prazos concedidos.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara
       

sábado, 24 de janeiro de 2015

MAIS DE 40.000 CÁPSULAS DE POLIVITAMÍNICO IMPRÓPRIO PARA CONSUMO SÃO APREENDIDAS PELA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA

Dr. Ricardo Chueire mostra os fragmentos, com a data de validade impressa,  que eram retiradas dos produtos 
       
       A Vigilância Sanitária de Itumbiara, em atendimento à duas denúncias, entre os dias 19 e 21 de janeiro,  apreendeu mais de 40.000 cápsulas de um medicamento polivitamínico que estariam sendo comercializados em dois estabelecimentos farmacêuticos, ambos da mesma rede.

       Num desses locais, localizado à Av. Oswaldo Cruz, no Setor Rodoviário, foram apreendidos, nos dias 19 e 20 de janeiro, a quantia de 627 Blísteres, contendo 10 cápsulas cada, com as datas de validade recortadas, impossibilitando o consumidor de verificar se o produto estaria impróprio para o consumo. Outras 495 caixas, do mesmo medicamento, também com prazo de validade expirado, foram recolhidas.

     A segunda denúncia, apurada no dia 21 de janeiro, em operação conjunta com a Polícia Civil, acabou encontrando no endereço de uma drogaria, da Av. Santos Dumont, no Bairro Santos Dumont, 26 caixas, de outra versão, do mesmo polivitamínico, com as embalagens sem prazo de validade e sem número de lote; além disso, 592 blísteres, com 10 cápsulas cada, com validade até novembro de 2014. Ainda, neste mesmo local, foram encontrados outros 26 blísteres, com 10 cápsulas cada, com a data de validade recortada. Todos os produtos foram levados para o distrito policial do bairro Novo Horizonte, onde foram periciados pela Polícia Técnico-Científica.

   Ambos estabelecimentos foram autuados por infringirem a legislação sanitária e terão prazo de até 15 dias para apresentarem defesa aos autos emitidos pela Vigilância Sanitária de Itumbiara, sem prejuízo de outras penalidades cabíveis.



HEBERT ANDRADE RIBEIRO FILHO
DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ITUMBIARA - 13.687 AÇÕES EM 2014


         Com o saldo de 13.687 ações realizadas, a Vigilância Sanitária de Itumbiara terminou o ano de 2014 superando recordes anteriores (10.168 ações em 2012 e 13.299 ações em 2013).
         
       A emissão de alvarás sanitários, mais uma vez, é recorde, atingindo a casa de 4.562 (em 2011 foram cerca de 2.150, em 2012 chegaram a 4.108 e em 2013 totalizaram 4.388), um incremento, portanto, de 47,12% em relação aos números do início da série, mensurada a partir do ano de 2011, quando esta emissão situava-se no patamar de 2.150 alvarás.
        
       O resultado, obtido pela contínua divulgação do Lei Sanitária do Município de Itumbiara (Lei Municipal nº 2.833/2003), através de impressos confeccionados e distribuídos gratuitamente pelo órgão,  também é consequência da visibilidade atingida, através da veiculação destas ações pela imprensa, seja em jornais, rádio, tv e web (no site www.visaitumbiara.com), além, é claro, da orientação aos setores regulados pela Vigilância Sanitária de Itumbiara sobre a necessidade imperiosa em se obedecer a legislação sanitária e sua importância para o sucesso de qualquer atividade, bem como sua relação no contexto da saúde pública de nossa cidade.
   
      Os atendimentos ao público no órgão somaram 3.661 ações; as fiscalizações, 2.023; análises de parâmetros físico-químicos em amostras de água, 1280; coletas de água para análises, 522; notificações, 496; atendimento de denúncias, 390; certidões (de baixa de responsabilidade técnica, de conformidade, de adequação, etc.), 207; intimações, 131; ações com Superintendência de Endemias, 68; autos de apreensão, 66; autos de inutilização, 60; ofícios respondidos e/ou enviados para órgãos como Ministério Público, Suvisa/GO, Anvisa, 51; emissão de numerário de blocos de receituário de medicamentos sob regime de controle especial, 49; autos de infração, 43; coletas de alimentos para análises bromatológicas, 28; pareceres técnicos, 18; termos de orientação, 10; interdições, 7; participação em cursos ( de capacitação, em seminários e como palestrante), 7.

  As fiscalizações e vistorias foram efetuadas em indústrias (e/ou seus prestadores de serviços) como Stemac, Cargill, JBS – Friboi, Caramuru, Almad/Cagigo, Usina Panorama, Plantar, Pionner, BR Foods, Rai Ingredientes (aromas e essências), Pimpolino – indústria de milho de pipoca, Alca Foods,  Tempeiro Cheiro Bom, Saladão Foods,  indústrias de panificação,  Depil Safe etc., além de estabelecimentos de serviços de saúde (hospitais, clínicas radiológicas e serviços de raio-x, clínicas odontológicas, clínicas médicas, clínicas psicológicas e comunidades terapêuticas), transportadoras, distribuidoras de medicamentos, farmácias, laboratórios, clínicas veterinárias e pet-shops, academias de ginástica, escolinhas de natação, grandes redes de supermercados, comércio varejista, hotéis, restaurantes, bares, lanchonetes etc.
       
     Além desses estabelecimentos acima citados, todas as cantinas das creches e escolas do município foram vistoriadas e fiscalizadas, recebendo orientações e exemplares da publicação, produzida pela Vigilância Sanitária de Itumbiara, sobre “Boas Práticas de Manipulação de Alimentos”, permitindo, desta forma, que os responsáveis técnicos destes locais possam ter o seu trabalho facilitado junto aos seus colaboradores nas tarefas afeitas ao preparo da alimentação diária das crianças e da merenda escolar servida aos nossos alunos, obedecendo as normas higiênico-sanitárias preconizadas pela legislação.

Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara


terça-feira, 11 de novembro de 2014

VIGILÂNCIA SANITÁRIA APREENDE QUASE MEIA TONELADA DE ALIMENTOS IMPRÓPRIOS PARA O CONSUMO

Alimentos impróprios para o consumo apreendidos em fiscalização da Vigilância Sanitária
A Vigilância Sanitária apreendeu, nesta terça-feira (11/11), quase meia tonelada de produtos impróprios para o consumo e que, provavelmente, iriam abastecer os pit-dogs de várias partes de nossa cidade.
Peito de peru, queijo mussarela, presunto, ervilhas, molho de tomate, batata palha e linguiça calabresa foram apreendidos, evitando que pudessem vir a ser comercializados e fazerem parte dos ingredientes utilizados na fabricação de lanches em bares, lanchonetes e pit-dogs de nossa cidade.
Grande parte dos produtos estava com os prazos de validade expirado, portanto vencidos; outros, sem data de fracionamento, não indicando quando foram fatiados, nem a data de validade; alguns com as embalagens avariadas e também uma quantidade considerável de linguiça calabresa colocada em caixas plásticas bastante sujas e impróprias para acondicioná-los, além de, também, não possuírem identificação de data de fabricação e prazo de validade.
No estabelecimento, localizado na Avenida Anhanguera, já haviam sido encontrados problemas semelhantes em fevereiro deste ano e, apesar de todas as orientações recebidas dos fiscais da Vigilância Sanitária à época, não se buscou implementar as mudanças necessárias e nem se adequar à legislação sanitária.
Foi emitido ao proprietário um auto de apreensão da mercadoria que, posteriormente, foi descartada no aterro controlado de Itumbiara, além do auto de infração, por infringir a Lei Municipal 2.833/2003 (Lei Sanitária do Município de Itumbiara) que diz que:
Art. 67.  São produtos impróprios ao uso e consumo:
I)      os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;
II)     os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados, corrompidos, fraudados, contaminados, proibidos de uso ou de venda, potencialmente nocivos à saúde e à vida;
III)   aqueles em desacordo com as normas regulamentadoras de fabricação, distribuição, conservação, transporte ou apresentação.
A infração é tipificada pelo Art. 132, inciso V, que diz que são infrações sanitárias dentre outras:
V - construir, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do município, estabelecimento que fabriquem ou comercializem alimentos sem registro, licença ou autorização do órgão sanitário competente ou contrariando as normas legais pertinentes;
Penalidades: advertência, pena educativa, multa de 33,20 UFIs, apreensão de substância, produto, equipamento ou utensílio; interdição de substância, produto, máquina, equipamento ou utensílio; inutilização de substância, produto, equipamento ou utensílio; suspensão de comercialização de substância e/ou produto; suspensão da fabricação de substância e/ou produto; cancelamento de registro de produto, embalagem ou utensílio; interdição total ou parcial de estabelecimento ou atividade; cassação do alvará de localização e funcionamento; cassação do alvará sanitário; revogação de contrato e convênio.  


Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

MEDICAMENTOS DE DISTRIBUIDORA INTERDITADA PELA VIGILÂNCIA SANITÁRIA E ANVISA SÃO DOADOS PARA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

DR. JOÃO ROBERTO (FISCAL FEDERAL DA ANVISA)  E DR. HEBERT ANDRADE (DIRETOR DA VISA ITUMBIARA)
DR. JOÃO ROBERTO,  FISCAL FEDERAL DA ANVISA, NA ENTREGA DOS MEDICAMENTOS DOADOS A SMS

A empresa LG Distribuidora de Medicamentos, que havia sido interditada cautelarmente pela Vigilância Sanitária de Itumbiara, em uma ação articulada com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), no mês de agosto (27/8), encerrou de vez suas atividades, após a interdição do estabelecimento, feito, desta vez, pela ANVISA, após fiscalização da empresa durante os dias 27, 28 e 29 de outubro.
         O estabelecimento, que durante a fiscalização anterior da Vigilância Sanitária de Itumbiara, já tinha sido verificado e não vinha obedecendo a Portaria nº 802 de 1998, do Ministério da Saúde, que garante um maior controle sanitário na produção, distribuição, transporte e armazenagem dos produtos farmacêuticos, evitando que irregularidades ocorram em uma destas etapas da cadeia do comércio de medicamentos, acabou mostrando evidências de violação da interdição cautelar sob a qual estava submetido, ao se verificar, no dia 27/10, que parte dos medicamentos que estavam no estoque do dia 27/8 (data da interdição cautelar), havia sido subtraída e retirada dos locais no interior do estabelecimento, conforme registros fotográficos e em vídeo que documentaram a operação.
A situação da LG Distribuidora de Medicamentos, que já se mostrava complicada, por conta da aquisição de mais de R$ 1.600.000,00 (Hum Milhão e Seiscentos Mil Reais) em medicamentos (que não foram encontrados em Itumbiara, pois já haviam sido vendidos) de empresas de fachada, em Cambé, no Estado do Paraná, acabou se complicando ainda mais, já que a autorização de funcionamento de empresa (AFE) da LG Distribuidora de Medicamentos, que é emitida pela ANVISA anualmente, havia caducado e a sua renovação indeferida, impedindo que, mesmo aqueles medicamentos que estavam em estoque e que, embora houvessem sido adquiridos de maneira legal e de fornecedores habilitados, ficassem impedidos de vir a ser comercializados pela empresa.
Sendo assim, restaram três opções à LG Distribuidora de Medicamentos,  para destinação do estoque remanescente que se encontrava na empresa e que estavam dentro do prazo de validade e tinham sido adquiridos de fornecedores legalmente habilitados:
a)      Tentar devolvê-lo aos laboratórios, com o monitoramento e acompanhamento da ANVISA, o que dificilmente seria conseguido, já que este procedimento não faz parte da política de laboratórios fabricantes de medicamentos e, ainda, demandaria um custo com logística bastante alto;
b) Incinerá-lo, ao custo de, aproximadamente, R$ 5,00 por Kilo de medicamentos ou,
c)  Doá-lo, registrando-se a operação contábil, mediante documentação, em nome do órgão para o qual que fosse doado.
Prevaleceu a opção pela doação, facultando à Vigilância Sanitária de Itumbiara e a ANVISA a transferência legal de todos os medicamentos à Secretaria Municipal de Saúde, contribuindo, desta forma, para a destinação adequada e uma finalidade útil de quase R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais) em medicamentos que, à partir de então, poderão ser utilizados à medida que forem sendo prescritos e requisitados pelos usuários do sistema público de saúde de nosso município.

Dr. Hebert Andrade Ribeiro Filho
Diretor de Vigilância Sanitária de Itumbiara